Presidente do Sudão seria detido se viesse ao Brasil, diz Amorim

Brasília, 13 mai (EFE).- O presidente do Sudão, Omar al-Bashir, seria detido se realizasse uma eventual visita ao Brasil, disse hoje o ministro das Relações Exteriores, Celso Amorim.

EFE |

O ministro esteve hoje no Congresso para debater assuntos relativos às relações exteriores e explicou que o país, como signatário do Tribunal Penal Internacional (TPI), obedeceria imediatamente à ordem de detenção, caso al-Bashir chegasse ao país.

Amorim afirmou que mantém contato com os ministros da Liga Árabe e que o Brasil participa dos esforços da comunidade internacional para manter a ajuda humanitária à região de Darfur.

"Isso é muito mais eficaz do que simplesmente condenar o país, uma ação típica dos países de passado colonialista e que não tem impacto no terreno", disse.

A ordem de detenção foi decretada em 4 de maio pelo TPI.

Al-Bashir é acusado de crimes de guerra e contra a humanidade nos conflitos em Darfur.

Recentemente, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva se retirou de um almoço oficial ao saber que se sentaria ao lado do presidente sudanês. EFE ed/plc

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG