La Paz, 14 dez (EFE).- O presidente do Senado da Bolívia, o opositor Óscar Ortiz, pediu hoje, em carta publicada por um jornal, aos líderes da Unasul uma nova investigação sobre o chamado massacre de Pando.

Ele chamou de "incompleto e insubstancial" o relatório apresentado por uma missão desse organismo que classifica de "massacre planejado" a morte de 22 pessoas em 11 de setembro, sendo 20 camponeses ligados ao Governo de Evo Morales, em conflitos neste estado do norte boliviano.

Ortiz, do partido Poder Democrático e Social (Podemos), sustenta que as atividades de investigação contidas no relatório da missão da União de Nações Sul-Americanas (Unasul) foram "insuficientes".

A missão da Unsaul, dirigida pelo argentino Rodolfo Mattarollo, concluiu que na região amazônica de Pando houve um massacre "planejado" de 20 camponeses, seguidores do presidente boliviano, Evo Morales, e um crime de "lesa-humanidade".

O ministro de Governo da Bolívia, Alfredo Rada, responsável pelas forças de segurança do país, disse que Ortiz tenta "chamar a atenção" porque "não tem probabilidade de ser eleito outra vez presidente do Senado" no ano que vem.

Os presidentes da Unasul se reunirão terça-feira em Salvador, na cúpula da entidade e Morales viaja amanhã ao Brasil. EFE ja/jp

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.