Presidente do Paquistão viaja em meio a crise militar

Viagem ocorre num momento de crescente tensão com o Exército por memorando que pede ajuda dos EUA contra golpe militar

Reuters |

AP
O presidente do Paquistão, Asif Ali Zardari, ouve pergunta de repórter durante coletiva (15/08/2010)
O presidente do Paquistão, Asif Ali Zardari, viajou nesta quinta-feira para Dubai, onde ficará somente por um dia, disseram fontes ligadas a ele, num momento de crescente tensão por causa de um memorando que pedia ajuda dos EUA na prevenção de um golpe militar no Paquistão.

Advertência: Exército alerta governo do Paquistão sobre 'consequências' de acusações

Reação ao memorando: Exército do Paquistão nega rumores sobre golpe de Estado

A situação causa preocupações com a estabilidade do Paquistão, um aliado complicado, mas vital, nos esforços dos EUA para combater a militância islâmica no vizinho Afeganistão.

Zardari esteve em Dubai para tratamento médico no mês passado , o que desencadeou especulações de que os militares estariam prestes a assumir o poder. Ele voltou a Islamabad cerca de duas semanas depois.

As relações entre o governo e as poderosas Forças Armadas estão no pior nível desde o golpe de Estado de 1999. Fontes paquistanesas no Golfo Pérsico disseram que Zardari viajou para fazer exames médicos, mas um dirigente do Partido do Povo Paquistanês (PPP, governista) afirmou que o presidente foi assistir a um casamento. Não houve confirmação oficial imediata sobre nenhuma das versões.

A situação política no Paquistão é delicada desde que estourou o escândalo do memorando aos EUA, em outubro. Na quarta-feira, as Forças Armadas - que governaram o Paquistão durante mais de metade dos seus 64 anos de vida independente - alertaram para as "funestas consequências" de supostos comentários do primeiro-ministro Yusuf Raza Gilani, acusando os militares de agir inconstitucionalmente no contexto do escândalo.

Agravando a crise, Gilani posteriormente demitiu o principal chefe militar do país por "flagrante desvio de conduta e ação ilegal" - que não foi especificada.

O memorando foi revelado num artigo no jornal Financial Times, de autoria do empresário paquistanês Mansoor Ijaz, que teria sido o portador do pedido de ajuda do governo paquistanês ao Pentágono. Depois, Ijaz revelou que o autor do memorando era o diplomata Husain Haqqani, aliado de Zardari que na época era embaixador em Washington, e renunciou por causa do caso.

Zardari pode ser submetido a processo de impeachment se uma comissão da Suprema Corte apontar um vínculo dele com o memorando.

    Leia tudo sobre: paquistãozardarigilanigolpe de estadodubaiexército

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG