Islamabad, 6 jul (EFE).- O presidente do Paquistão, Asif Ali Zardari, defendeu hoje uma reforma na Constituição do país e a anulação da emenda aprovada por seu antecessor no cargo, o general Pervez Musharraf, que dá poder ao líder de Estado para dissolver o Parlamento e convocar novas eleições.

Segundo um comunicado divulgado por seu escritório, Zardari disse que é "necessário anular a emenda" aprovada em 2003 e "reformar a Constituição", depois de uma consulta prévia ao restante das forças políticas, para "mudar o sistema repressivo que gerou terrorismo, insurgência e ditadura no país".

Zardari fez as declarações durante uma reunião em sua residência do comitê central do Partido Popular (PPP), formação da qual é diretor e que lidera o Governo paquistanês.

Após o encontro, que durou cinco horas, o PPP aprovou uma resolução na qual o partido se compromete a anular a emenda, motivo de polêmica durante meses entre Zardari e a opositora Liga Muçulmana do Paquistão (PML-N), do ex-primeiro-ministro Nawaz Sharif.

Segundo o comunicado, o comitê central do PPP também busca "uma política de reconciliação nacional, com o objetivo de encontrar coletivamente uma solução para o grande número de problemas do país".

"Os assuntos e problemas enfrentados pela nação são tão complexos e variados que nenhum partido ou instituição pode resolvê-los de maneira efetiva. É necessário um esforço nacional coletivo, apoiado por todas as forças políticas e instituições", aponta a nota. EFE igb/pd

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.