Em mais um dia atribulado para as economias de todo o mundo, governos e autoridades financeiras anunciaram nesta terça-feira mais medidas para tentar conter a crise financeira internacional Em uma atitude surpreendente, Ben Bernanke, presidente do Federal Reserve (o Banco Central dos Estados Unidos), sinalizou que o Fed pode cortar as taxas de juros de curto prazo para tentar frear o que ele classificou como uma crise de proporções históricas e aquecer a economia americana. Em uma conferência na National Association for Business Economics, em Washington, Bernanke afirmou que as previsões de inflação melhoraram com a queda nos preços do petróleo e outras commodities.

Por outro lado, ele afirmou que a economia americana desacelerou rapidamente.

"À luz deste acontecimentos, o Federal Reserve vai ter que reconsiderar se a atual política monetária continua apropriada", disse Bernanke, que afirmou que os efeitos da desaceleração da economia já ultrapassaram o mercado imobiliário.

A atual taxa de juros nos EUA é de 2% ao ano e a próxima reunião do Fed está marcada para o dia 29 de Outubro.

O Banco Central dos Estados Unidos também anunciou nesta terça-feira que planeja lançar um programa para comprar títulos de empresas privadas para ajudar a financiá-las no curto prazo.

A medida procura minimizar a crise de liquidez nos mercados e ajudar, com a compra dos títulos, a financiar estas empresas, que estão tendo dificuldades em vender suas ações para bancos e instituições financeiras.

Europa
A medida do Fed foi anunciada no mesmo dia em que os países da União Européia decidiram aumentar para 50 mil euros (cerca de R$ 143 mil) por cliente a garantia mínima às contas bancárias privadas no caso de falência de um banco do bloco. O valor garantido anteriormente era de 20 mil euros.

Reunidos em Luxemburgo para discutir a crise financeira que se alastra pelo continente, os ministros de finanças europeus também anunciaram o compromisso de "adotar toda e qualquer medida necessária para assegurar a solidez e a estabilidade de suas instituições financeiras", entre elas injetar dinheiro em bancos que tenham problemas.

Com a medida a UE, espera tranqüilizar os cidadãos e evitar uma retirada em larga escala de dinheiro de bancos que já enfrentam problemas de liquidez.

Bélgica e Holanda sinalizaram, no entanto, que podem aumentar ainda mais as garantias para as contas bancárias, enquanto a Espanha anunciou garantias de 100 mil euros às contas.

A Rússia também anunciou um pacote de ajuda aos seus bancos e a Islândia nacionalizou seu segundo maior banco e pediu um empréstimo à Rússia.

Ainda nesta terça-feira, a Câmara Britânica do Comércio (BCC, em inglês), que representa empresas de pequeno e médio porte no país, afirmou que a Grã-Bretanha já está em uma recessão, que se agrava e pode elevar o número de desempregados em 350 mil até o ano que vem.

Espera-se que o governo britânico anuncie amanhã um plano de auxílio para o sistema bancário.

Medidas conjuntas
Em conversas telefônicas com líderes da Grã-Bretanha, França e Itália, o presidente dos Estados Unidos, Gerge W. Bush, falou sobre a crise financeira e pediu uma ação conjunta de diversos países para combatê-la e para aumentar a oferta de crédito
O governo americano também disse estar aberto à possibilidade de realizar um encontro de emergência de lideranças internacionais a respeito da crise, como propôs o presidente francês, Nicolas Sarkozy.

Mas a porta-voz da Casa Branca disse que as atenções das autoridades americanas estão voltadas para a reunião de ministros das Finanças dos países que integram o G7, no próximo fim de semana, em Washington.

A reunião integra os eventos que compõem o encontro semestral do FMI e do Banco Mundial.

O FMI fez um apelo idêntico por uma solução coletiva nesta terça-feira, durante a divulgação do relatório Estabilidade Financeira Global. No documento, o Fundo pede "um compromisso coletivo".

Para o do diretor do Departamento Monetário e de Capitais do FMI, Jamie Caruana, governos de diferentes nações devem ajudar instituições financeiras a se capitalizar, comprando dívidas podres ou injetando recursos públicos nessas instituições.

O FMI estima ainda que, nos próximos cinco anos, os grandes bancos globais precisarão de investimentos na ordem de US$ 675 bilhões.

Mercados em crise
A terça-feira foi mais um dia turbulento nos mercados internacionais, com algumas bolsas caindo novamente e outras conseguindo recuperar parte das perdas da última segunda-feira.

Em Nova York, o índice Dow Jones caiu 5,1%, em seu menor nível em cinco anos. As bolsas americanas não se recuperaram nem com o sinal do corte de juros de Bernanke.

A bolsa eletrônica Nasdaq teve uma queda ainda mais acentuada, fechando com um recuo de 5,80%.

Em São Paulo, o índice Bovespa acompanhou a tendência dos mercados americanos e fechou em baixa de 4,66%.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.