Presidente do Equador aceita renúncia de ministros importantes

QUITO (Reuters) - O presidente equatoriano, Rafael Correa, aceitou a renúncia dos seus ministros de Finanças e Petróleo, como parte de um processo de reformulação do gabinete para os próximos três anos de mandato, confirmaram fontes ligadas aos envolvidos na terça-feira. Todos os ministros haviam apresentado sua renúncia em março, a pedido de Correa, que anunciou há um mês as reformas destinadas a reforçar o seu projeto socialista.

Reuters |

Correa aceitou a renúncia do ministro do Petróleo, Germánico Pinto, que era o atual presidente da Opep e havia sido criticado pelo governo devido à demora na negociação de novos contratos de prestação de serviços com empresas petrolíferas privadas.

Um assessor de Pinto confirmou que Correa telefonou para o ministro para aceitar formalmente a demissão. O titular da pasta estava em Seul buscando financiamento para a construção de uma grande refinaria em sociedade com a estatal venezuelana

PDVSA.

Com a saída dele, mudará o presidente da Opep, cartel dos países produtores de petróleo, que neste ano está sob o comando equatoriano.

Correa aceitou também a demissão da ministra de Finanças, Elsa Viteri, que se disse na semana passada satisfeita com a situação econômica do país. "Ela se despediu dos funcionários do ministério e disse que continuará apoiando o projeto político do presidente", afirmou uma fonte do Ministério das Finanças.

A ministra da Saúde, Caroline Chang, envolvida em denúncias de irregularidades na aquisição de ambulâncias, também está na mira da reforma ministerial de Correa, que no começo do mês já havia mudado nove titulares - inclusive os coordenadores de Política Econômica e de Setores Estratégicos.

O novo ministro das Finanças deve ser escolhido entre técnicos da Secretaria Nacional de Planejamento. O novo ministro do Petróleo será o presidente da estatal Petroamazonas EP, Wilson Pástor.

"Sim, soa o meu nome. Sim, acho que o presidente (o) está considerando, mas não está reconfirmado. Hoje à tarde tenho uma reunião no palácio", disse Pástor à Reuters.

Correa também convidou o ex-secretário-geral da Comunidade Andina de Nações Freddy Ehlers para integrar o governo. Ehlers renunciou na terça-feira à chefia da CAN, cargo que ocupava havia três anos, para assumir a pasta do Turismo, segundo a Agência Estatal de Notícias.

(Por Alexandra Valencia e Santiago Silva)

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG