Presidente diz que China buscará oportunidade para crescer na crise

Pequim, 8 mar (EFE).- O presidente da China, Hu Jintao, destacou diante dos deputados provinciais que participam da sessão anual da Assembleia Nacional Popular (Legislativo), em Pequim, que a crise financeira global, mesmo que atinja a economia chinesa, representa também uma oportunidade de crescimento.

EFE |

A mensagem foi repetida por todos os dirigentes chineses em suas reuniões com os representantes locais, com os quais, como costuma acontecer, reúnem-se separadamente durante a sessão da Assembleia.

Ao se dirigir a deputados da província de Cantão na Assembleia, o líder máximo chinês afirmou que é preciso aproveitar a oportunidade para mudar o padrão de desenvolvimento e fazer ajustes estruturais.

A agência "Xinhua" anunciou hoje a viagem de uma delegação por quatro países europeus em busca de oportunidades de investimento.

"O desafio e a oportunidade sempre vêm juntos. Sob certas condições, um poderia ser transformado na outra", disse Hu, em reunião a portas fechadas, informou a "Xinhua".

Hu acrescentou que a China deve utilizar suas vantagens para superar os obstáculos, e pediu aos deputados de uma província manufatureira afetada pela redução das exportações que coloquem em prática as políticas de Pequim destinadas ao desenvolvimento sustentado.

Em sua reunião com deputados da província de Shandong, o presidente da Assembleia, Wu Bangguo, disse que a prioridade da China é o crescimento e o impulso ao consumo interno.

Para enfrentar a crise financeira global, a China precisa buscar soluções temporárias e permanentes, com o esforço em modernizar sua indústria e melhorar a competitividade das empresas, afirmou.

Para o primeiro-ministro chinês, Wen Jiabao, um desenvolvimento econômico estável e relativamente rápido, apesar da crise financeira global, deve ser o objetivo.

O premiê chinês disse aos deputados de Hubei que o importante é buscar o desenvolvimento da economia nacional e realizar a modernização do país a longo prazo.

A "Xinhua" destacou que, segundo o primeiro-ministro, é necessário que as autoridades de todos os níveis - central, provincial e local - incorporem o bem-estar do povo ao objetivo de crescimento econômico, a fim de promover a estabilidade social.

O contato com a sociedade das autoridades locais, "que devem melhorar sua credibilidade", ajudará também a colocar em prática as medidas destinadas ao crescimento, disse Wen.

O presidente da Conferência Consultiva Política do Povo Chinês - máximo assessor do Governo -, Jia Qinglin, pediu aos assessores políticos de sindicatos, ligas juvenis e federações femininas que mostrem "iniciativas para resolver disputas e defender os direitos desses grupos".

Li Changchun, membro do Comitê Permanente do Birô Político do Comitê Central do Partido Comunista Chinês, pediu a legisladores da região de etnia Hui de Ningxia que apoiem o crescimento econômico "espiritualmente" com a cultura.

O vice-presidente chinês, Xi Jinping, felicitou Hong Kong e Macau por terem adotado medidas rápidas e efetivas para resistir ao impacto da crise.

Em conversas com deputados de Xinjiang, o vice-primeiro-ministro Li Keqiang disse que a China tem capacidade de manobra devido a seu amplo território e a complementaridade na economia das diferentes regiões.

"Devemos transformar os desafios em oportunidades, utilizar todas as vantagens, explorar mercados, acelerar a reestruturação industrial e buscar novas áreas de crescimento", afirmou Li.

He Guoqiang, secretário da Comissão Central de Inspeção da Disciplina do Partido Comunista Chinês, pediu que os funcionários melhorem seu trabalho, sua educação e intensifiquem a supervisão, a fim de evitar a corrupção. EFE pc/an

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG