Presidente de empresa que causou vazamento é detido na Hungria

Companhia passará, temporariamente, para as mãos do governo. Sobe para oito o número de mortos em razão do desastre

iG São Paulo |

nullO presidente da empresa proprietária do reservatório, Zoltan Bakonyi, em que houve o vazamento tóxico na Hungria foi detido pela polícia nesta segunda-feira. A prisão foi anunciada pelo primeiro-ministro húngaro, Viktor Orban.

Segundo a BBC, Orban disse ainda que a companhia responsável pelo reservatório que rompeu, MAL Zrt, passará temporariamente para as mãos do governo e os responsáveis pelo desastre serão punidos com multas.
Subiu para oito o número de pessoas que morreram no acidente ocorrido no último dia 4. O corpo da oitava vítima foi achado no lodo, entre as localidades de Devecser e Kolontar, informou à Agência Efe a porta-voz de Defesa Civil, Györgyi Tüttös.

Outras cerca de 150 ficaram feridas, depois do rompimento de um dique em uma represa próxima a Ajka, no leste do país. No desastre ambiental, mais de 700 mil metros cúbicos de uma lama tóxica com óxido de alumínio, composto por bauxita e utilizado na fabricação de alumínio, contaminaram casas, plantações e chegaram ao rio Danúbio.

Especialistas da União Européia estão ajudando autoridades húngaras para calcular o grau de contaminação e toxicidade decorrentes do vazamento. Também examinam o risco de o material ser inalado, depois que a lama secar e o pó ficar suspenso no ar.

Novo dique

Autoridades húngaras se apressam para concluir até terça-feira um dique de emergência a fim de evitar um segundo vazamento de lama tóxica, enquanto continuam investigando as causas do acidente anterior, ocorrido na semana passada.

"Esperamos ter o dique concluído até terça-feira", disse um porta-voz do primeiro-ministro Viktor Orban a uma TV. "Temos 4 mil pessoas e 300 máquinas trabalhando no local, então estamos fazendo o máximo para evitar outra tragédia".

A cidade de Devecser, com 5.400 habitantes, continua em estado de alerta, e a localidade de Kolontar permanece desocupada depois do desastre ambiental.

As causas do desastre continuam desconhecidas. Em nota divulgada no domingo, a MAL disse que o dique cumpria os padrões de segurança, conforme um levantamento técnico feito em 1995.

*Com BBC, Reuters e EFE

    Leia tudo sobre: hungriavazamentocontaminação

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG