Por Mohamed Ahmed BAIDOA, Somália (Reuters) - O presidente da Somália, Abdullahi Yusuf, renunciou na segunda-feira, acabando com um impasse no alto escalão do governo e abrindo as portas para uma nova administração na nação africana.

O governo apoiado por países ocidentais e liderado por Yusuf pelos últimos quatro anos falhou em trazer ordem e segurança ao país mergulhado em violência desde a queda de um ditador em 1991.

Rebeldes islâmicos controlam o sul da Somália e estão acampados nos subúrbios da capital Mogadishu. O governo e os militares etíopes que o apóiam têm apenas Mogadishu e Baidoa, enquanto os militantes dominam outras regiões.

Disputas entre Yusuf e o primeiro-ministro Nur Hassan Hussein sobre a composição do governo e o processo de paz mediado pelo ONU empurraram a administração para a beira do colapso, ao mesmo tempo em que a Etiópia planeja a retirada de suas tropas.

A instabilidade em terra firme fomentou a pirataria em rotas movimentadas de embarcações na costa do país e levou esquadras estrangeiras à região para patrulhar suas importantes rotas de comércio.

O parlamentar Aden Madobe se tornou presidente-interino, seguindo a Constituição. As eleições devem ocorrer em 30 dias.

Madobe disse a repórteres em Baidoa que vai deixar o cargo assim que um novo presidente for apontado.

"Uma nova página da história da Somália foi aberta", disse Ahmedou Ould-Abdallah, o enviado especial da ONU à Somália, pedindo que todos os somalis apóiem Yusuf em sua "decisão patriótica e corajosa".

A comunidade internacional está pressionando para várias facções políticas da Somália acabarem com as disputas e se unirem em um governo para trazer paz ao país após 17 anos de combates.

(Reportagem adicional de Abdi Sheikh, Abdi Guled em Mogadishu, David Clarke em Nairóbi)

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.