Roma, 6 fev (EFE).- O presidente da República da Itália, Giorgio Napolitano, não assinará o decreto-lei urgente aprovado pelo Governo com o objetivo de impedir a morte de Eluana Englaro, a italiana em estado vegetativo desde 1992.

Napolitano alega que o decreto pode ser inconstitucional, e por isso considera que não é possível ratificá-lo, segundo um comunicado da Presidência da República. EFE cc/mh

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.