Presidente da Inguchétia é ferido em atentado

O presidente da república russa da Inguchétia, Yunus-Bek Yevkurov, está hospitalizado em estado crítico depois de uma tentativa de assassinato no subúrbio da cidade de Nazran, nesta segunda-feira. O estado do líder, contudo, é estável.

BBC Brasil |

O comboio em que Yevkurov viajava foi atingido por um carro-bomba e há notícia de que a explosão foi ouvida a uma distância de até dez quilômetros.

As primeiras informações dão conta de que um dos guarda-costas do presidente morreu e várias outras pessoas ficaram feridas, inclusive o irmão de Yevkurov.

Ninguém reivindicou a autoria do ataque, mas o correspondente da BBC em Moscou, Rupert Wingfield-Hayes, disse que é provável que ele possa ter sido realizado por separatistas muçulmanos que combatem o domínio russo na Inguchétia.

A violência vem aumentando na Inguchétia, que é vizinha da república da Chechênia. Este foi o terceiro ataque em três semanas contra uma figura de destaque no país.

No dia 10 de junho, homens armados mataram a vice-presidente do Supremo Tribunal em Nazran quando ela deixava os filhos no jardim da infância.

Três dias depois, o ex-vice-primeiro-ministro foi morto a tiros diante de sua casa em Nazran.

Centenas de refugiados de guerras na Chechênia se estabeleceram na Inguchétia, uma república majoritariamente muçulmana, que é uma das regiões mais pobres da Rússia.

A insurreição na Chechênia foi, em grande parte, reprimida, mas a violência se espalhou e agora, aparentemente, está aumentando na Inguchétia e no Daguestão.

O presidente da Rússia, Dmitry Medvedev, chamou o ataque de "ato de terror". Ele ordenou que o Ministério do Interior e o Serviço Federal de Segurança investiguem o caso.

O presidente Yevkurov, um ex-general, foi conduzido ao cargo pelo Kremlin no ano passado para tentar trazer estabilidade à Inguchétia.

Medvedev elogiou Yevkurov, dizendo que ele "fez muito recentemente tanto para trazer ordem (...) quanto paz à república'.

"Os bandidos não gostaram disto", disse o presidente russo.

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG