Presidente da China visita vítimas de terremoto

O presidente da China, Hu Jintao, visitou neste domingo sobreviventes do terremoto de 6,9 pontos de magnitude que sacudiu a China na semana passada e deixou mais 1,7 mil mortos. Jintao esteve em Jiegu, nas montanhas de Qinghai, depois de encurtar uma visita oficial ao Brasil e outros países na América do Sul.

BBC Brasil |

Quatro dias depois do violento tremor, algumas pessoas foram resgatadas com vida dos escombros, entre elas, um senhor de 68 anos.

O líder espiritual tibetano, Dalai Lama, fez um apelo ao governo chinês por autorização para realizar uma visita semelhante.

As autoridades chinesas afirmam que a população já recebeu abrigo, comida e água, embora as dificuldades logísticas de transportar provisões à região atingida, que fica a cerca de 4 mil metros de altitude.

O número oficial de mortos no desastre subiu para 1.706 pessoas e outras 256 desaparecidas, de acordo com a agência de notícias estatal chinesa Xinhua.

Apelo
Durante a visita, Jintao fez um apelo para as equipes de resgate:
"Resgatar as pessoas que estão presas ainda é a principal tarefa. Temos que valorizar cada vida", disse Hu no povoado de Datong.

Horas antes, um idoso tinha sido retirado dos escombros depois de ter passado cem horas soterrado. Ele estaria em condições estáveis, segundo a Xinhua.

No sábado, moradores da região, de maioria budista, começaram a cremar os corpos dos mortos, diferentemente da tradição local.

Nesta região, normalmente, os mortos são deixados em pontos isolados para serem consumidos pela natureza, mas o número de mortos no tremor impossibilitou este método.

O Dalai Lama, que vive em exílio na Índia, nasceu na província de Qinghai, na qual mais de 12 mil pessoas foram feridas pelo terremoto e outras cem mil ficaram desabrigadas.

Mesmo assim, analistas acreditam ser difícil que o governo chinês autorize uma visita do líder à região.

Ele é considerado um inimigo do Estado chinês, por defender mais liberdade para os moradores do Tibete, o que para o governo da China é o mesmo que defender a independência da região.

O Dalai Lama elogiou as autoridades chinesas por reagir prontamente ao tremor.

O governo da China enviou 10 mil soldados e médicos, mas a escala da destruição é tão grande que eles estão enfrentando dificuldades.

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG