Lima, 17 nov (EFE).- As relações entre China e América Latina nunca foram tão estreitas como hoje e a cooperação entre o país e a região teve resultados frutíferos, afirmou o presidente chinês, Hu Jintao, em declarações à imprensa local.

Antes de partir para Lima, onde participará da Cúpula de Líderes do Fórum Econômico Ásia-Pacífico (Apec), Hu ressaltou que, nas relações entre China e América latina, existe "uma notável complementaridade" para oferecer mutuamente "oportunidades para o desenvolvimento", em entrevista ao diário "El Comercio".

O presidente chinês, que chegará ao Peru na próxima quarta-feira para, além disso, um encontro bilateral com o chefe de Estado local, Alan García, também considerou que China e América Latina "têm amplos interesses comuns e uma profunda base de cooperação na preservação da paz mundial e do desenvolvimento partilhado".

Assim, entre outras coisas, Hu antecipou que nos últimos quatro anos o volume de comércio entre China e América Latina e Caribe manteve uma média de crescimento anual de 40%, "batendo em 2007 o recorde histórico de US$ 100 milhões", para fazer da China o terceiro parceiro comercial da região.

Para Hu, a existência de um fórum como a Apec "constitui uma importante ponte entre as economias do Pacífico e forneceu contribuições positivas ao desenvolvimento e prosperidade regionais ao longo dos anos".

"O feito com que os líderes de Apec se reúnam para discutir juntos os relevantes temas econômico, financeiro e comercial do mundo e buscar medidas adequadas para reforçar a cooperação regional em resposta comum aos desafios reveste um significado transcendental", afirmou Hu.

Além de participar da cúpula da Apec, se espera que Hu e García anunciem a criação de um Tratado de Livre-Comércio que liberalize a entrada e saída de bens, serviços e investimentos entre ambos os países, algo muito esperado pelo Governo peruano. EFE amr/rr

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.