Presidência da UE leva golpe de artista tcheco que deveria decorar sede do CE

Bruxelas, 13 jan (EFE).- A Presidência da União Européia (UE), ocupada este semestre pela República Tcheca, foi alvo de um golpe de um artista que recebeu a incumbência de elaborar uma obra para decorar a sede do Conselho, em Bruxelas.

EFE |

Este artista, o tcheco David Cerný, montou uma instalação criada supostamente por ele e outros 26 artistas, um de cada Estado membro da UE, que se descobriu serem fictícios.

Em comunicado divulgado hoje, o vice-primeiro-ministro tcheco, Alexandr Vondra, se confessa "infelizmente surpreso" após descobrir que o único autor de "Entropa" é Cerný e não 27 artistas em representação dos países da UE, como havia sido estipulado no contrato com o artista.

"David Cerný é o único responsável por não ter cumprido seu compromisso", declarou Vondra, que acrescenta que a Presidência tcheca está agora estudando o que fazer com a exposição, que já está instalada no edifício do Conselho e que devia ser inaugurada na próxima quinta.

Ao ser consultado pela Agência Efe, um porta-voz da Presidência recusou dar mais explicações.

A obra, que foi descoberta hoje, gerou polêmica ao associar cada um dos países-membros com estereótipos e clichês.

Assim, a Espanha aparece totalmente coberta de concreto (uma visão idealizada pelo inexistente artista Ricardo Romeo), já a Itália é um campo de futebol e a França está tapada por um cartaz com a palavra greve.

A Presidência tcheca concedeu um dossiê de 29 páginas com a explicação das obras de cada um dos supostos artistas, assim como informações sobre sua imaginária trajetória artística.

No caso do espanhol, diz que concebe a superfície como uma "paisagem habitável em vertical e feita de concreto" e lhe atribui exposições individuais e em grupo que coincidem com as efetuadas por outro artista chamado Pere Llobera.

Segundo explicação da Presidência tcheca antes de descobrir o golpe, o objetivo do mosaico - pendurado dentro do átrio que dá passagem para a sede do Conselho da UE - era "demolir as barreiras e os estereótipos" e "eliminar os obstáculos para a cooperação que ainda persistem" entre os países do bloco.

Para isto usava alguns dos estereótipos e preconceitos mais freqüentes.

Por exemplo, a Romênia abriga um castelo de Drácula, a Alemanha está cortada por estradas e a Grécia é queimada por chamas.

A Bélgica aparece transformada em uma caixa de bombons e a Dinamarca foi construída com peças de Lego.

A obra, que custou 50.000 euros (US$ 60.000) ao Governo tcheco, devia permanecer no edifício Justus Lipsius até o dia 30 de junho.

Agora, Praga está "considerando que passos tomar" e irá se pronunciar na próxima quinta. EFE epn/fal

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG