Prêmios Nobel discutem soluções para o mundo

Cerca de trinta vencedores do prêmio Nobel se reúnem entre esta terça-feira e quinta-feira em Petra, na Jordânia, para discutir soluções para problemas globais, em especial a alta dos preços dos alimentos. Entre os presentes estão personalidades como o Dalai Lama e o presidente de Israel, Shimon Perez.

BBC Brasil |

Esta é a quarta versão do evento anual, patrocinado pelo rei jordaniano Abdullah 2º.

Na pauta deste ano, além da segurança alimentar, estão a crise no sistema financeiro internacional, a saúde, a energia e o meio ambiente.

"O assunto dos preços dos alimentos é importante porque afeta centenas de milhões de pessoas. Vamos discutir maneiras de evitar uma crise maior, o papel de governos e sociedades", disse o porta-voz do evento, Tarek Awad.

Consciência coletiva
"A idéia por traz da criação do evento foi que talvez possamos, ao juntar as pessoas mais brilhantes do mundo, obter soluções que possam ser transformadas em programas aplicados", afirmou.

Nas edições de 2005 a 2007, o evento buscou discutir temas mais amplos e controversos como o terrorismo e a paz no Oriente Médio, mas a idéia foi descartada na conferência deste ano.

"Uma decisão foi abandonar temas políticos, que causam muita controvérsia", afirmou o porta-voz. "A partir de agora, vamos nos concentrar em temas científicos e econômicos."
O escritor Elie Wiesel, vencedor do Prêmio Nobel da Paz de 1986 e integrante da organização, disse que "Como o mal, o bem é contagioso. Quando seres humanos agonizam em uma vila remota, suas lágrimas ferem nossa consciência coletiva. É a esse chamado que nós, cientistas, educadores, escritores, jornalistas, filantropos e estadistas devemos responder. É isso o que nos traz a Petra".

Resultados práticos
Desde primeira edição do encontro, apenas uma recomendação dos agraciados com o Nobel saiu do papel, o Fundo Científico do Oriente Médio.

O próprio rei jordaniano fez uma doação inicial de US$ 10 milhões para o fundo que pretende, a partir deste ano, apoiar projetos científicos internacionais e sem fins lucrativos de pós-graduandos da região.

Mesmo com relativamente poucos resultados práticos até o momento, a conferência anual com vencedores do Prêmio Nobel foi elogiada por trazer idéias que estimulam o debate.

O diretor do Departamento de Filosofia da Universidade Autônoma de Madri, José Luiz Velázquez, questionou se é possível esperar "que um grupo de sábios possa influir de forma decisiva no curso das coisas" - uma função destinada às poucas organizações internacionais com poder executivo.

"Acredito que o aspecto mais importante é o fato de que pessoas procedentes de disciplinas que podem até ter concepções diversas possam se reunir para fazer algo conjuntamente."

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG