Premier tailandês decreta estado de emergência em Bangcoc

O primeiro-ministro tailandês, Samak Sundaravej, declarou o estado de emergência em Bangcoc nesta terça-feira, horas após violentos confrontos entre partidários e opositores do governo, que deixaram um morto e dezenas de feridos.

AFP |

Samak nomeou o comandante do Exército, general Anupong Paojinda, para liderar a equipe encarregada da aplicação do estado de emergência.

O premier disse à imprensa que fez o que era preciso após os protestos violentos na capital: "Não dormi a noite passada. Hoje, cumpri com meu dever".

Samak pediu aos manifestantes que abandonem a sede do governo e destacou que "ninguém tem o direito de fazer o que estão fazendo".

"Não tinha outra opção que declarar o estado de emergência em Bangcoc para solucionar o problema de uma vez por todas. O Exército e a polícia vão aplicá-lo".

O premier garantiu que o estado de emergência não afetará a vida cotidiana da população" e que a medida "não permanecerá por muito tempo: "A vida continuará como sempre".

O principal líder dos manifestantes reagiu convocando os opositores a desafiar o estado de emergência.

"Vocês não devem acatar o estado de emergência", disse Sondhi Limthongkul, fundador da Aliança do Povo pela Democracia (PAD), aos militantes entrincheirados dentro da sede do governo. "Não devem ter medo do estado de emergência".

Segundo a rádio estatal, as reuniões de mais de cinco pessoas estão proibidas na capital tailandesa e o general Anupong "poderá impedir o acesso a certos locais" e o trânsito de pessoas por Bangcoc.

Confrontos entre manifestantes pró e contra o governo tailandês deixaram um morto e dezenas de feridos em Bangcoc na madrugada desta terça, segundo fontes médicas.

Os enfrentamentos ocorreram na mesma zona onde 15 mil pessoas se concentram, há uma semana, para exigir a renúncia de Samak Sundaravej.

"Milhares de manifestantes chegaram de Sanam Luang e começou a briga", disse à AFP um oficial da polícia, referindo-se à praça onde os opositores estão concentrados.

O chefe da Polícia Nacional, Patcharavat Wongsuwan, disse que foram solicitados reforços ao Exército para controlar a situação.

A principal central sindical da Tailândia convocou para a próxima quarta-feira uma greve geral em apoio aos manifestantes, que há uma semana ocupam a sede do governo em Bangcoc para exigir a renúncia de Sundaravej.

O premier, que determinou que a polícia não use a força contra os manifestantes, garante que não vai renunciar ou dissolver o Parlamento.

A ocupação da sede do governo foi organizada pela Aliança do Povo pela Democracia (PAD), uma coalizão de militantes nacionalistas, monárquicos e sindicais.

A PAD acusa Samak de ser um fantoche do ex-premier Thaksin Shinawatra, derrubado por um golpe de Estado em 2006 e que vive atualmente na Grã-Bretanha.



    Leia tudo sobre: tailândia

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG