Premier da Tailândia rejeita a convocação de eleições

O primeiro-ministro da Tailândia, Somchai Wongsawat, rejeitou nesta quarta-feira o apelo do comandante das Forças Armadas de convocar eleições antecipadas para resolver a crise política no país que se prolonga há meses.

AFP |

Durante um pronunciamento à nação, transmitido pela televisão, Somchai declarou que os manifestantes antigovernistas que ocupam o aeroporto internacional de Bangcoc e prédios públicos para exigir sua demissão tentavam derrubar o processo democrático.

"Asseguro novamente ao povo que o governo, legitimado por eleições, funcionará até o fim", disse Somchai.

O comandante das Forças Armadas da Tailândia, o general Anupong Paojinda, havia pedido ao primeiro-ministro tailandês que dissolvesse o Parlamento e convocasse novas eleições, negando qualquer tentativa de golpe de Estado.

Paojinda solicitou também aos manifestantes antigovernistas da Aliança do Povo pela Democracia (PAD, pró-monarquia) que desocupassem o aeroporto de Bangcoc, onde estão desde a noite de terça-feira.

O alto comando militar negou que estivesse dando um golpe e destacou que o governo de Somchai conserva toda a autoridade, apesar do pedido para a convocação de novas eleições.

Horas antes, um dos principais líderes da PAD, Pibhop Dhongchai, havia pedido a renúncia do primeiro-ministro.

"O primeiro-ministro deve renunciar e depois poderemos falar", afirmou Pibhop Dhongchai. "A desocupação do aeroporto depende do resultado das negociações", acrescentou o dirigente da PAD.

Cerca de 8.000 manifestantes ocupam o aeroporto internacional de Bangcoc de Suvarnabhumi, segundo dados da polícia.

ask-lm/sd

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG