Premiê turco vai a Teerã para ajudar em acordo

Tayyip Erdogan viajou ao Irã para auxiliar em negociações sobre a troca de combustível nuclear

Reuters |

O  primeiro-ministro da Turquia, Tayyip Erdogan viajou a Teerã neste domingo para tentar auxiliar no acordo de troca de combustíveis nucleares que pode por fim à disputa com o Ocidente sobre o programa nuclear do Irã.

Erdogan se unirá com o presidente brasileiro Luiz Inácio Lula da Silva, que viajou ao Irã  na noite de sábado. Potências mundiais veem a discussão como a última chance para evitar sanções contra o Irã.

Um acordo apresentado pela Organização das Nações Unidas (ONU) em outubro oferecia ao Irã que enviasse 1.200 kg de urânio de baixo enriquecimento --o suficiente para a fabricação de uma bomba se enriquecido no patamar necessário-- para a França e para a Rússia, onde seria convertido em combustível para um reator de pesquisas em Teerã.

O Irã afirmou que só trocaria o seu material por urânio em níveis maiores de enriquecimento e somente no seu próprio território, condições que as outras partes envolvidas no acordo consideraram inaceitáveis.

"Estou indo ao Irã porque uma cláusula será acrescentada ao acordo que diz que a troca será feita na Turquia", disse o premiê. "Teremos a oportunidade de começar o processo em relação à troca", afirmou. "Eu garanto que encontraremos a oportunidade para superar esses problemas, se Deus quiser."

Lula também disse a jornalistas após reunião com os iranianos que " o nível de esperança (de que se chegará a um acordo) cresceu ".

"Os Estados Unidos estão irritados com a proximidade de dois países independentes como o Irã e o Brasil. É por isso que reclamaram tanto antes da sua (Lula) visita ao Irã", declarou Khamenei, segundo a TV estatal.

AFP
Lula cumprimenta Mahmoud Ahmadinejad
Lula no Irã

Lula se encontrou com Mahmoud Ahmadinejad e a autoridade máxima do Irã, o aiatolá Ali Khamenei, que tem a última palavra para todas as decisões de Estado, como no caso das atividade nucleares do país.

No entanto, os dois deixaram de fora qualquer comentário sobre a questão nuclear e apenas enfatizaram o reforço de suas relações bilaterais. Como única alusão a este tema, Ahmadinejad "agradeceu ao presidente brasileiro seu apoio aos direitos da nação iraniana e suas posições para reformar a ordem mundial", indica o texto publicado no site da presidência iraniana.

"A realidade é que alguns países que controlam os centros políticos, econômicos e midiáticos do mundo não querem que os outros países progridam", declarou o presidente iraniano. "Juntos podemos mudar essas condições e proporcionar as transformações necessárias", acrescentou. "Esta visita marca o início de uma cooperação entre duas grandes nações", concluiu Ahmadinejad.

Impasse

Na sexta-feira, a secretária de Estado norte-americana, Hillary Clinton, disse que o esforço de mediação de Lula falharia. O Irã nega acusações do Ocidente de que estaria desenvolvendo armas nucleares sob o pretexto de um programa nuclear civil.

O Brasil e a Turquia, ambos membros não-permanentes do Conselho de Segurança das Nações Unidas, se ofereceram para mediar uma solução para o impasse, no momento em que potências mundiais negociam novas sanções ao Irã. O Irã declarou que via a mediação de forma positiva.

A nação islâmica começou um enriquecimento maior em fevereiro para produzir combustível para um reator de pesquisa, após as negociações com as grandes potências para uma possível troca de combustíveis terem falhado. A medida aproxima o enriquecimento de urânio no Irã aos níveis necessários para a produção de material para armas --urânio refinado com 90 de pureza.

    Leia tudo sobre: LulaIrãprimeiro-ministro da Turquiaacordo nuclear

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG