Nicósia, 19 jul (EFE).- O primeiro-ministro da Turquia, Recep Tayyip Erdogan, disse hoje em Nicósia que a possível reunificação do Chipre deve se fundamentar em um novo Estado federal sobre a base de dois Estados constituintes iguais.

Erdogan, que chegou na sexta-feira ao norte do Chipre para participar dos atos de comemoração do 34º aniversário dessa parte da ilha pelo Exército turco, fez as declarações depois de se reunir com o presidente da autoproclamada República Turca do Norte do Chipre (RTNC), Mehmet Ali Talat.

Ao término de seu encontro com Talat, Erdogan reiterou na frente da imprensa o apoio de Ancara aos turco-cipriotas e frisou que tinha "confiança em Talat e em seu grupo negociador".

Erdogan se referiu, assim, ao diálogo reiniciado em março entre as comunidades cipriotas turca e grega, sob a mediação da ONU.

"A única solução possível é a criação de uma nova associação com dois Estados constituintes", destacou o premiê turco.

Talat também se expressou na mesma linha, dizendo que os turco-ciprotas podem contar com o apoio da Turquia.

"Esperamos que, durante o próximo encontro com (o presidente do Chipre, Demetris) Christofias, seja estabelecida uma data para a abertura das negociações diretas", disse Talat.

Toda a classe política greco-cipriota condenou a visita de Erdogan, chamada de "provocadora", pois acredita que "mina" o clima positivo criado após a reabertura do diálogo entre as duas partes em março.

Christofias e Talat devem se encontrar pela quarta vez no dia 25, em um encontro considerado crucial, já que poderia significar a abertura de negociações diretas sobre a reunificação.

As esperanças de um Chipre reunificado foram reavivadas quando Christofias e Talat decidiram, em 21 de março, reabrir um diálogo bloqueado há quatro anos.

O Chipre permanece dividido desde 1974, quando a Turquia invadiu o norte da ilha e declarou a independência unilateral da RTNC, reconhecida apenas por Ancara.

O resto do território, de maioria grega, permaneceu como a República do Chipre, membro da União Européia (UE) desde 2004. EFE fl/wr/db

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.