Premiê israelense é interrogado por 90 minutos pela Polícia

Jerusalém, 2 mai (EFE).- O primeiro-ministro israelense, Ehud Olmert, foi interrogado na manhã de hoje durante 90 minutos por detetives da Polícia local, em relação a um suposto caso de corrupção do qual não foram informados detalhes.

EFE |

A rádio pública israelense disse que a ex-diretora do escritório de Olmert Shula Zakén também é investigada em relação ao mesmo caso.

O premiê foi interrogado pela Polícia em várias ocasiões no passado, em relação a pelo menos três casos de corrupção, mas nunca foi levado à Justiça.

Em comunicado, o Escritório de Olmert disse antes do depoimento que o premiê vai "cooperar plenamente" com a Polícia, e que "está convencido de que se descobrirá a verdade na investigação policial e as suspeitas contra ele se dissiparão".

A Polícia recebeu na quarta-feira o sinal verde para submeter o primeiro-ministro a interrogatório, a pedido do Assessor Jurídico do Governo, Menachem Mazuz, segundo a imprensa local.

O porta-voz da Polícia israelense, Micky Rosenfeld, não quis fornecer detalhes sobre a investigação policial.

No entanto, a edição eletrônica do diário "Yedioth Ahronoth" menciona que Olmert foi interrogado nesta ocasião sob suspeitas de suborno, por supostamente receber dinheiro de um empresário americano residente em Israel, e que segundo o meio está cooperando com a investigação.

O diário acrescenta que o valor recebido soma uma pequena fortuna e que os pagamentos, feitos em dinheiro, aconteceram em várias ocasiões, tanto em Israel como no exterior.

Em outubro, a Procuradoria Geral ordenou uma investigação criminal sob suspeitas de que agiu de forma inadequada quando ocupava o cargo de ministro da Indústria e Comércio.

Olmert é suspeito de ter cometido vários crimes de corrupção, entre eles de abuso de poder e suborno na privatização de um dos grandes bancos de Israel, e de supostas irregularidades em benefício de ativistas e membros do Comitê Central do partido direitista Likud.

Outra investigação tratou de esclarecer se ele se beneficiou de seu cargo público ao comprar uma casa em Jerusalém, que foi obtida pelo premiê por um preço muito mais baixo do que o normal por sua condição de governante, supostamente em troca de impulsionar a construção de um projeto de casas. EFE db/mh

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG