Premiê iraquiano se fortalece com vitória governista em pleito regional

Bagdá, 5 fev (EFE).- A coalizão política do primeiro-ministro iraquiano, Nouri al-Maliki, obteve uma grande vitória nas eleições provinciais de 31 de janeiro, segundo os resultados preliminares divulgados hoje.

EFE |

O grupo de al-Maliki foi o mais votado em nove das 14 províncias iraquianas nas quais houve eleição, resultado que confirma as previsões que existiam antes da votação.

O pleito do último sábado, o primeiro desde 2005, está sendo considerado fundamental para a estabilidade política no Iraque, país que vive um conflito armado desde a invasão militar liderada pelos Estados Unidos em 2003.

Os resultados parciais da eleição foram anunciados em entrevista coletiva por responsáveis da Comissão Eleitoral Independente (CEI), que divulgou os dados de cada província, sem dar um resultado total em nível nacional.

Os números, correspondentes a 90% das mesas de votação, ainda deverão passar por uma revisão oficial, a partir das impugnações que forem apresentadas pelos diferentes partidos, processo que deve ser concluído ainda este mês.

No segundo lugar geral da votação, ficou o grupo Shahid al-Mihrab, integrante da Assembleia Suprema da Revolução Islâmica, do clérigo Abdel Aziz al- Hakim.

Apesar de Hakim e de Maliki fazerem parte da atual aliança governista, disputaram o pleito separadamente.

Só na província de Bagdá, que inclui a capital iraquiana, a coalizão de Maliki obteve 38% dos votos.

Um resultado semelhante, de 37% dos votos, foi obtido pela do primeiro-ministro na província de Basra (sul), cuja capital, de mesmo nome, é a segunda maior cidade do país.

No pleito, foram eleitas as autoridades locais de 14 das 18 províncias do país. Não houve votação nas três províncias autônomas do Curdistão iraquiano nem na província multiétnica de Kirkuk.

Os resultados obtidos por Maliki o fortalecem para as eleições gerais, programadas para o fim deste ano.

Maliki, político xiita que disputou as eleições defendendo posições laicas, chegou à chefia do Governo em 20 de maio de 2006.

Desde então, tornou-se a figura mais promissora do cenário político do país.

Já na província de Ninawa, atualmente a que mais sofre com a violência, a vitória foi para os partidos políticos sunitas.

A votação de 31 de janeiro transcorreu dentro de uma relativa tranquilidade, com muito poucos incidentes durante a jornada eleitoral e os dias posteriores.

Mas essa calma foi rompida hoje, com um atentado suicida perpetrado ao nordeste de Bagdá, no qual 12 pessoas morreram e 15 ficaram feridas.

O alvo do ataque foi um restaurante popular no norte da conflituosa província de Diyala.

O número de mortos pode aumentar nas próximas horas, dada a gravidade de alguns dos feridos. EFE ah/sc

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG