Bagdá, 30 abr (EFE).- O primeiro-ministro iraquiano, Nouri al-Maliki, rejeitou hoje uma ingerência internacional e árabe nos assuntos do Iraque, em resposta ao pedido da aliança opositora Al Iraqiya de formar um Governo interino sob supervisão estrangeira.

Bagdá, 30 abr (EFE).- O primeiro-ministro iraquiano, Nouri al-Maliki, rejeitou hoje uma ingerência internacional e árabe nos assuntos do Iraque, em resposta ao pedido da aliança opositora Al Iraqiya de formar um Governo interino sob supervisão estrangeira. Em discurso em Karbala, a 110 quilômetros ao sul de Bagdá, al-Maliki pediu que "a Liga Árabe e os organismos internacionais não respondam às exigências de alguns setores que se esforçam para internacionalizar as questões iraquianas". Apesar de ter ganhado as eleições, cujos resultados estão pendentes de revisão na Comissão Eleitoral, a Al Iraqiya, que conseguiu 91 das 325 cadeiras do Parlamento, não conquistou assentos suficientes para governar sozinho, por isso foi obrigada a propor alianças com outros grupos. Enquanto isso, à espera da formação de um novo Executivo, Al-Maliki continuou governando, segundo a Al Iraqiya, "sem controle nem legitimidade". O atual primeiro-ministro ressaltou hoje a necessidade de respeitar a soberania iraquiana e de resolver todas as questões e controvérsias dentro do Iraque. Além disso, pediu aos partidos que respeitem seu Governo e que mantenham os avanços alcançados em matéria de segurança no último período. EFE ah-lg-ssa/pd

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.