Premiê grego diz ter recebido apoio de Obama contra especulação

Washington, 9 mar (EFE).- O primeiro-ministro da Grécia, Yorgos Papandréu, disse hoje ter recebido na Casa Branca uma resposta muito positiva do presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, para suas chamadas contra a especulação financeira.

EFE |

Os dois líderes se reuniram nesta terça-feira a portas fechadas no Salão Oval por uma hora. Nesse tempo, o primeiro-ministro explicou a Obama os esforços da Grécia para reduzir o elevado déficit fiscal do país.

Em declarações ao fim do encontro, Papandréu assegurou que não solicitou aos Estados Unidos nenhum plano de resgate para a economia grega.

Obama, contou o premiê, mostrou apoio às medidas do Governo grego e às propostas europeias para conter a especulação nos mercados, que disparou nas últimas semanas com a aposta dos operadores em possíveis faltas de pagamento da dívida grega.

O assunto, segundo ele, será colocado na próxima cúpula do G20, em junho, quando se reunirão no Canadá representantes das maiores economias do mundo.

Papandréu lembrou que tanto o presidente francês, Nicolas Sarkozy, como a chanceler alemã, Angela Merkel, e outros líderes europeus asseguraram que não permitirão que os especuladores "brinquem" com o euro.

O presidente da Comissão Europeia (órgão executivo da UE), José Manuel Durão Barroso, assegurou hoje que o bloco europeu estuda a possibilidade de proibir algumas operações de venda de ações, como pediram Merkel e Sarkozy, para frear os ataques especuladores contra a dívida soberana dos países da zona de moeda única.

Papandréu mostrou satisfação com o anúncio e assegurou que informou a Obama, que busca uma reforma no sistema de regulação financeira do país, sobre tais iniciativas.

"Nós fomos as vítimas dos especuladores nos últimos meses. Obama me assegurou que considera a iniciativa útil, importante e positiva e que os EUA contribuirão nesta direção", comentou.

Já o porta-voz da Casa Branca, Robert Gibbs, disse que os dois líderes abordaram a reforma financeira e a recuperação econômica.

Como em vezes anteriores, Gibbs apontou que o Governo dos EUA considera que a crise grega é assunto da União Europeia e que acredita na capacidade do bloco de resolver a situação.

O porta-voz não se pronunciou sobre as propostas europeias para proibir algumas operações de venda de ações e avaliar os chamados CDS (Credit Default Swaps), seguros que garantem os investimentos dos compradores de dívida perante uma possível falta de pagamento.

Obama, reiterou o porta-voz, se mantém informado com regularidade sobre o desenvolvimento da crise na Grécia.

Os juros dos bônus da Grécia dispararam devido à crise nas contas públicas.

A Grécia registrou no ano passado um déficit equivalente a 12,7% do Produto Interno Bruto, acima das previsões de entre 6% e 8% do Governo, e a dívida hoje supera 110% do PIB.

O Governo Papandréu apresentou um plano para sanear as contas públicas, que inclui medidas drásticas para diminuir despesas e elevar a arrecadação pública.

O primeiro-ministro grego se encontra em Washington para uma visita de três dias, durante a qual já se reuniu, além de Obama, com a secretária de Estado, Hillary Clinton, e com líderes do Congresso.

Esta noite deve participar na Casa Branca de um ato, junto ao presidente americano e à primeira-dama, Michelle, em lembrança do aniversário da independência grega, obtida em 1820. EFE mv/rr

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG