não irlandês na próxima cúpula da UE - Mundo - iG" /

Premiê esloveno descarta solução para não irlandês na próxima cúpula da UE

Bruxelas, 17 jun (EFE).- O primeiro-ministro da Eslovênia, Janez Jansa, descartou hoje que os 27 países-membros da União Européia possam chegar a um acordo na cúpula desta semana sobre como superar o empecilho gerado pela rejeição irlandesa ao Tratado de Lisboa.

EFE |

"A Irlanda precisa de tempo", disse Jansa em coletiva de imprensa em Liubliana, antes do Conselho Europeu convocado em Bruxelas para as próximas quinta e sexta-feira.

Jansa, que ocupa a Presidência rotativa da UE, disse que recebeu "sinais positivos" de todos os seus colegas para que seja mantido o compromisso de prosseguir com a ratificação do novo tratado. O esloveno manifestou também seu desejo de adotar uma "atitude construtiva" na busca de uma solução conjunta.

O anfitrião da próxima cúpula disse ainda que "a vida não parou" na UE depois do plebiscito irlandês e, como prova disso, confirmou que nada foi retirado da agenda do Conselho Europeu, embora o debate sobre o que aconteceu passará a ser prioridade.

Segundo Jansa, deixando de lado o "incidente" do Tratado, os chefes de Estado e Governo buscarão "harmonizar seus pontos de vista" sobre a maneira de fazer frente, a médio e longo prazo, à alta dos preços dos combustíveis e dos alimentos.

O primeiro-ministro esloveno descartou que possa ser "reduzido artificialmente" os preços das matérias-primas da noite para o dia e recomendou que não se pense que os velhos tempos da energia barata "vão voltar".

No entanto, a UE está empenhada em abordar, em nível interno e mundial, as causas profundas dos atuais desequilíbrios entre oferta e procura, e decidida a pôr em prática um sistema de vigilância de preços eficaz.

Os países-membros também devem respaldar a adesão da Eslováquia à Eurozona a partir de 1º de janeiro de 2009, impulsionar o pacote de medidas contra a mudança climática, a liberalização do setor energético e a política comum de imigração, assim como confirmar a perspectiva européia para todos os países balcânicos ocidentais.

Voltando ao Tratado de Lisboa, Jansa insistiu que se deve respeitar "o marco atual" para buscar uma solução, o que exclui qualquer tentativa de deixar a Irlanda isolada.

Jansa disse que a Irlanda, membro fundador da Eurozona, "não se vê fora do coração da UE".

O primeiro-ministro irlandês, Brian Cowen, será o primeiro a discursar na próxima quinta-feira diante dos demais governantes para dar uma explicação sobre a rejeição no referendo.

Jansa destacou que é necessário detectar "as verdadeiras razões" do "não", porque, segundo ele, freqüentemente o que movimenta os eleitores não tem nada a ver com o questionamento imposto no referendo. EFE jms/rr

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG