Lisboa, 7 out (EFE).- O primeiro-ministro de Portugal, José Sócrates, se comprometeu hoje a garantir as economias de todos os portugueses perante a crise financeira internacional, mas sem mencionar o capital garantido pelo Estado, até agora de 25 mil euros.

O Estado "não deixará de cumprir seu dever, de assegurar as economias dos portugueses em qualquer circunstância", disse Sócrates, após reconhecer que Portugal enfrenta "dificuldades sérias", assim como os outros países europeus e desenvolvidos.

Sócrates, que falou durante a assinatura de convênios para programas sociais, prometeu também "apoiar as famílias mais desfavorecidas" e "orientar o país e a economia portuguesa para responder às dificuldades que vêm de fora". EFE mrl/an

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.