Premiê belga é eleito primeiro presidente estável da UE

Os governantes dos 27 países da União Europeia decidiram nomear o primeiro-ministro belga, Herman Van Rompuy, como primeiro presidente estável do Conselho Europeu - o órgão político mais alto do bloco, formado pelos chefes de Estado e de Governo dos países membros. Além de Van Rompuy, os governantes confirmaram ainda o nome da atual comissária de Comércio, a britânica Catherine Ashton, como Alto Representante para Política Exterior do bloco.

BBC Brasil |

Reuters

Van Rompuy cumprimenta Catherine Ashton, após serem eleitos
para os principais cargos da União Europeia

"Estou orgulhoso de apresentar a primeira equipe diretora da União Europeia. Esta noite decidimos quem serão as pessoas que dirigirão a UE ao futuro", afirmou o primeiro-ministro sueco, Fredrik Reinfeldt, que atualmente assume a presidência rotativa do bloco europeu, ao final de uma reunião em Bruxelas.

Ambos tomarão posse em 1º de dezembro, quando entra em vigor o Tratado de Lisboa, responsável pela criação dos novos altos cargos, e terão mandatos de dois anos e meio, renováveis apenas uma vez.

Com essa iniciativa, a UE espera fortalecer sua imagem no cenário internacional, mas tanto Van Rompuy como Ashton são considerados políticos formadores de consenso, com pouco peso e quase nenhuma experiência internacional.

Presidente

Como presidente europeu, Van Rompuy representará os quase 500 milhões de cidadãos do bloco nas negociações internacionais.

Ele também será encarregado de presidir as cúpulas de chefes de Estado e de governo lado a lado com o presidente de turno da UE, uma figura que será mantida, além de informar o Parlamento Europeu sobre as conclusões dessas reuniões.

Van Rompuy é um economista democrata-cristão e assumiu como primeiro-ministro há dez meses, tirando a Bélgica de uma crise política sem precedentes.

Em seu discurso de agradecimento, Van Rompuy prometeu "ouvir todos e todas as opiniões".

"Só há um perfil possível (para o presidente da UE): um perfil de diálogo, de união e de ação", afirmou.

Chanceler

Já Ashton ocupará um posto de Alto Representante, um cargo cujo peso foi reforçado pelo Tratado de Lisboa.

Além de assumir as funções desempenhadas nos últimos dez anos pelo espanhol Javier Solana, a britânica exercerá as funções de vice-presidente da Comissão Europeia e de comissária de Relações Exteriores.

Sua indicação como candidata por parte do grupo socialista europeu foi chave para que o processo de nomeação dos novos cargos tivesse uma rápida conclusão, já que deu à Grã-Bretanha uma das principais carteiras da administração europeia.

Isso foi suficiente para que o primeiro-ministro britânico, Gordon Brown, desistisse de se opor à candidatura de Van Rompuy para a outra carteira, que ele preferiria ver ocupada por seu antecessor Tony Blair.

A nomeação de Ashton ainda satisfaz a insistência de diversas personalidades da UE para que um dos altos cargos fosse reservado a uma mulher.

Com os dois principais postos distribuídos, o presidente da Comissão Europeia, José Manuel Durão Barroso, pode agora proceder à distribuição das carteiras do Executivo entre os comissários indicados por cada país membro.

Todos os novos comissários, incluindo Ashton, ainda terão que ser aprovados pelo Parlamento Europeu em uma sessão plenária prevista para janeiro de 2010.


Leia mais sobre União Europeia

    Leia tudo sobre: união européia

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG