Premiê australiano alerta China sobre prisão de acusado de espionagem

O primeiro-ministro da Austrália, Kevin Rudd, mandou uma mensagem ao governo da China, dizendo que outros países e empresas de todo o mundo estão observando atentamente como os chineses lidam com o caso de um executivo de mineradora australiano que foi preso por espionagem no país. O executivo australiano Stern Hu foi preso há dez dias, acusado de espionagem.

BBC Brasil |

Ele é diretor comercial, responsável pelo setor de minério de ferro na operação da mineradora anglo-americana Rio Tinto na China.

O governo chinês abriu uma investigação no setor de mineração e afirma que tem provas de espionagem, corrupção e roubo de segredos de Estado.

Rudd lembrou à China que a relação econômica com a Austrália e outros países é "uma via de duas mãos".

"É claro que a Austrália tem interesses econômicos importantes em sua relação com a China. Mas quero lembrar aos nossos amigos chineses que a relação com a Austrália e com outros parceiros comerciais também é importante economicamente para a China", afirmou o premiê em uma entrevista coletiva.

"Uma série de governos e empresas estrangeiras estarão acompanhando o assunto com interesse e eles vão tirar suas próprias conclusões sobre como o caso está sendo conduzido. É do nosso interesse ver esta questão resolvida."
Além de Stern Hu, os funcionários da Rio Tinto em Xangai também foram acusados de roubar segredos de Estado das indústrias do aço chinesas.

Nos últimos dias o governo chinês ampliou o inquérito neste setor ao investigar também os executivos de empresas siderúrgicas estatais.

Preços
Stern Hu foi detido junto com três cidadãos chineses e as prisões ocorreram num momento em que a Rio Tinto e outras mineradoras renegociam os preços do minério de ferro com a China .

De acordo com a agência de notícias estatal chinesa, Hu e seus colegas são acusados de tentar obter informações confidenciais que poderiam dar a eles uma vantagem nestas negociações.

O governo australiano vinha tratando a questão apenas no nível diplomático. Mas, segundo o correspondente para o setor de negócios da BBC Theo Leggett, a Austrália parece estar intensificando suas ações em relação à prisão do executivo.

De acordo com Leggett, a Austrália teme que as acusações contra Stern Hu sejam vagas e quer que as autoridades chinesas o libertem ou apresentem provas de que um crime foi cometido.

O correspondente lembra que a polêmica entre os dois países pode prejudicar uma relação comercial que atinge um valor atual de US$ 53 bilhões entre Austrália e China.

Segundo informações o caso de espionagem também poderia complicar as negociações entre a China e fornecedores de minério de ferro no resto do mundo.

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG