não à Carta vencerá em Guayaquil - Mundo - iG" /
Publicidade
Publicidade - Super banner
Mundo
enhanced by Google
 

Prefeito opositor diz que não à Carta vencerá em Guayaquil

Quito, 28 set (EFE).- O prefeito de Guayaquil, Jaime Nebot, expoente da oposição no Equador, expressou hoje sua confiança de que em sua cidade o não vencerá no referendo de hoje sobre a nova Constituição patrocinada pelo Governo.

EFE |

"Confio em Guayaquil, que saberá negar o 'sim' com votos suficientes para que a nova Constituição não seja aprovada nesta cidade", declarou Nebot aos jornalistas enquanto votava.

Nebot afirmou que, caso o "não" ganhe em sua cidade, a mais populosa do Equador, isso não significará que não reconhecerá uma eventual vitória do "sim" no resto do país, mas reivindicou que a vontade dos cidadãos de Guayaquil seja respeitada.

"Estas são eleições muito importantes para a vida do país, pois não se está propondo votar em um presidente ou em um prefeito, mas se está propondo votar em um modelo de vida", destacou Nebot, que tem mantido uma queda-de-braço política com o presidente do Equador, Rafael Correa.

Se o "não" vencer em Guayaquil, isso será como um "aval para que se respeite um modelo de desenvolvimento, que gerou progresso", disse Nebot, que há alguns dias declarou que não se apresentará em uma nova eleição caso o "sim" vença em sua cidade.

"Respeitaremos o resultado nacional", frisou o prefeito, após defender o projeto da nova Carta Magna seja um "guia que permita a convivência pacífica" entre os equatorianos.

Nebot negou que sua posição seja "separatista" ou que esteja tentando desestabilizar o país, como acusam políticos governistas.

Segundo Nebot, "isso é uma absurdo seguramente inventada pelo presidente (da Venezuela, Hugo) Chávez", que dias atrás disse que a oposição de Guayaquil pode seguir os mesmos passos dos "separatistas" de algumas regiões da Bolívia.

"Apenas um ignorante pode confundir autonomia com separatismo", disse Nebot, que não negou a possibilidade de dialogar com o Governo, mas sob o princípio do respeito democrático às "divergências". EFE fa/wr/rr

Leia tudo sobre: iG

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG