Praga assume quinta-feira a presidência da UE

A República Tcheca assume na próxima quinta-feira a presidência rotativa da União Européia (UE) que coube, no semestre passado, à França, e enfrentará inúmeros desafios, a começar pela ameaça iminente de uma crise do gás com a Rússia.

AFP |

Após meses de preparativos, o antigo país comunista membro da UE desde 2004 está pronto para o "teste de resistência" de seis meses, declarou o vice-primeiro-ministro tcheco Alexandr Vondra após a última reunião da organização semana passada.

Os tchecos se esforçaram nas últimas semanas para amenizar os temores sobre sua capacidade de ocupar o lugar da França à frente da União em plena crise econômica e institucional, com a dupla defasagem de não pertencerem à zona euro e de ainda não terem se pronunciado sobre o Tratado de Lisboa.

Praga escolheu como grande prioridade a segurança energética e acompanha de perto o último desenrolar da guerra do gás entre Moscou e Kiev. Ela vai administrar as repercussões para os países europeus em caso de suspensão das entregas de gás russo à Ucrânia.

"Moscou que sempre jogou com as divisões da Europa, principalmente em termos de energia, pode testar Praga na questão do gás ucraniano", comentou um diplomata europeu, que não quis se identificar.

A Rússia vem ameaçando há vários dias suspender em 1º de janeiro as entregas de gás à Ucrânia se Kiev não acertar todas as suas contas, avaliadas em mais de dois bilhões de dólares.

A segurança energética está entre os temas a serem abordados no encontro informal dos ministros dos Assuntos Exteriores dos 27 países da UE, dia 8 de janeiro em Praga - a primeira reunião organizada pela presidência tcheca da União Européia, um dia após a noite de inauguração oficial.

Apesar das tensões despertadas pelo projeto de mobilização do escudo antimíssil americano em seu território, os tchecos contam com a possibilidade de organizar uma cúpula UE-Rússia durante o primeiro semestre de 2009.

Praga havia também evocado em meados de dezembro, mas sem dar uma data, a possível realização de uma cúpula UE-Israel e uma outra UE-Palestina. A situação nos territórios acaba de degenerar em crise aberta com a operação lançada sábado por Israel em Gaza, de uma violência jamais vista desde a ocupação dos territórios palestinos por Israel em 1967.

Durante sua presidência européia, os tchecos esperam, sobretudo, acolher a primeira reunião de cúpula com o novo presidente americano Barack Obama, lançar com fausto a parceria com os países do Leste (Ucrânia, Belarus, Armênia, Azerbaijão, Geórgia e Modálvia) e apoiar o processo de integração européia comemorando com grande pompa a ampliação de 1º de maio de 2004 qui os viu entrar na UE, junto com os cipriotas, estonianos, húngaros, letões, lituanos, malteses, poloneses, eslovacos e eslovenos.

sof/lm/sd

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG