Pouso de emergência de avião na França deixa 16 feridos

Dezesseis pessoas foram hospitalizadas depois do pouso de emergência de um avião da companhia de baixo custo irlandesa Ryanair na noite da segunda-feira em Limoges (sudoeste da França), em seguida a uma despressurização da cabine, informou a própria companhia aérea nesta terça-feira.

AFP |

De acordo com a polícia francesa, o Boeing 737 que fazia a ligação entre Bristol e Barcelona teve uma queda de 8.000 metros em cinco minutos. Um rápido exame do aparelho não permitiu identificar problemas mecânicos.

O aparelho, que havia decolado do Reino Unido rumo à Espanha, pousou às 23H30 (18H30 de Brasília) em Limoges "por medida de precaução", destacou a Ryanair, acrescentando que os passageiros hospitalizados tiveram problemas auditivos.

"A Ryanair confirma que o vôo FR9336 Bristol-Barcelona da noite de segunda-feira teve um problema de despressurização que provocou a queda das máscaras de oxigênio", declarou uma porta-voz da companhia.

"Por medida de precaução, o piloto desviou para o aeroporto de Limoges, onde pousou às 23H30 locais. Todos os 168 passageiros desembarcaram. Dezesseis foram hospitalizados por problemas auditivos", explicou.

Mais cedo, os bombeiros franceses tinham mencionado a hospitalização de 26 pessoas.

"Por medida de precaução, o aeroporto de Limoges disponibilizou um médico para qualquer passageiro que deseje uma consulta", afirmou a porta-voz, que não soube especificar a causa do incidente.

A companhia enviou um engenheiro a Limoges para examinar o aparelho.

O diretor-geral da Ryanair, Michael O'Leary, garantiu à rádio BBC 4 que todos os procedimentos de segurança foram respeitados. "Todas as pessoas a bordo, passageiros e tripulantes, tiveram que colocar as máscaras de oxigênio, e o piloto desviou o avião para o aeroporto disponível mais próximo", afirmou, sem se pronunciar sobre as causas do incidente.

O'Leary garantiu que todas as máscaras estavam funcionando, ao contrário do que afirmara mais cedo um passageiro.

"Houve uma queda repentina da temperatura e uma corrente de ar frio. Parecia que alguém tinha aberto a porta. As máscaras de oxigênio caíram, mas a minha não estava funcionando, nem a do meu filho", relatou o passageiro Pen Hadow.

juf/yw/sd

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG