Potências ocidentais criticam decisão da Rússia sobre Geórgia

Por François Murphy PARIS (Reuters) - Aprofundando o impasse diplomático instalado entre ex-rivais da Guerra Fria, as potências ocidentais uniram-se na terça-feira para condenar o fato de a Rússia ter reconhecido a independência das duas regiões separatistas da Geórgia.

Reuters |

O presidente russo, Dmitry Medvedev, anunciou ter decidido reconhecer como Estados autônomos as regiões rebeldes da Abkházia e da Ossétia do Sul, ignorando os apelos feitos pelo Ocidente para que se respeitasse a integridade territorial da Geórgia.

'Eu acho isso lamentável', disse a secretária de Estado norte-americana, Condoleezza Rice, em uma entrevista coletiva realizada na cidade de Ramallah, Cisjordânia. Rice acrescentou ser 'extremamente nefasto' o fato de a Rússia ter minado as negociações internacionais sobre o futuro da região.

Os EUA não permitiriam a aprovação de nenhuma tentativa de reconhecimento da independência das regiões por meio do Conselho de Segurança da Organização das Nações Unidas (ONU), entidade dentro da qual o país tem poder de veto, afirmou a secretária de Estado.

As declarações de Rice lembraram aquelas quando da desavença em torno da declaração de independência de Kosovo, uma antiga região da Sérvia. As potências ocidentais reconheceram a manobra, mas a Rússia a criticou.

'E, portanto, de acordo com as resoluções do Conselho de Segurança ainda em vigor, a Abkházia e a Ossétia do Sul integram as fronteiras internacionalmente reconhecidas da Geórgia e isso não vai mudar'.

O presidente dos EUA, George W. Bush, deve divulgar um comunicado ainda na terça-feira a respeito da manobra russa, descrita pela Casa Branca como uma 'decisão infeliz'.

Escândalos envolvendo espiões já haviam prejudicado as relações entre a Grã-Bretanha e a Rússia antes de os tanques russos ingressarem no território georgiano neste mês a fim de impedir o governo desse país de retomar à força o controle sobre as regiões separatistas.

O governo britânico deu as declarações mais duras a respeito de Medvedev.

'O anúncio feito hoje pelo presidente Medvedev, o anúncio de que a Rússia reconhecerá a Ossétia do Sul e a Abkházia é injustificável e inaceitável', disse o chanceler britânico, David Miliband, em um comunicado.

'Vou conversar hoje com nossos parceiros internacionais e vou visitar a Ucrânia amanhã a fim de garantir a mais ampla coalizão possível contra a agressão russa na Geórgia', acrescentou.

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG