Potências mundiais se reúnem para discutir questão do Irã

WIESBADEN, Alemanha (Reuters) - Representantes de seis grandes potências se reúnem na quarta-feira na Alemanha para discutir uma nova estratégia contra o programa nuclear do Irã. Enviados de Estados Unidos, Rússia, China, Grã-Bretanha, França e Alemanha se encontram periodicamente nos últimos anos para discutir formas de conter as atividades iranianas. Desta vez, porém, o encontro de Wiesbaden (oeste alemão) atrai mais atenção, por ser o primeiro desde a posse de Barack Obama como presidente dos EUA.

Reuters |

Obama promete uma negociação direta com Teerã a respeito do programa nuclear, algo que o governo anterior dos EUA rejeitava. A secretária norte-americana de Estado, Hillary Clinton, disse na terça-feira que Washington levará sua nova posição à reunião.

"Estamos estendendo a mão, mas antes o punho tem de se abrir", disse Hillary após reunião em Washington com o chanceler britânico, David Miliband.

Contatado em seu quarto de hotel em Wiesbaden, o representante dos EUA na reunião, William Burns, recuou-se a comentar as declarações de Hillary.

O Conselho de Segurança da ONU já impôs três rodadas de sanções ao Irã para pressionar o país a abandonar suas atividades de enriquecimento de urânio, que pode gerar material para bombas nucleares. A República Islâmica garante, no entanto, que seu programa nuclear se destina apenas à geração de eletricidade com fins civis. Os EUA e seus aliados dizem que a intenção real do Irã é desenvolver armas.

Na véspera da reunião na Alemanha, o Irã anunciou a entrada em órbita do seu primeiro satélite de fabricação nacional, coincidindo com as comemorações do 30o aniversário da Revolução Islâmica de 1979.

A Casa Branca manifestou "aguda preocupação" com o lançamento do satélite, a bordo de um foguete de longo alcance que, devidamente adaptado, poderia ser usado no transporte de armas nucleares.

Em artigo no jornal alemão Süddeutsche Zeitung, o ministro alemão de Relações Exteriores, Frank-Walter Steinmeier, elogiou a disposição do governo Obama em conversar com o Irã, pois na opinião dele o atual impasse é insustentável.

"Peço aos responsáveis em Teerã que aproveitem a oportunidade", escreveu ele.

(Reportagem de Marilyn Gerlach)

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG