Potências farão reuniões freqüentes com árabes sobre Irã

Nações Unidas, 16 dez (EFE).- As potências mundiais encarregadas das negociações sobre a questão nuclear iraniana acordaram hoje com vários países árabes fazer consultas periódicas sobre as ações contra o programa atômico de Teerã.

EFE |

A secretária de Estado americana, Condoleezza Rice, disse que as partes chegaram a este entendimento após uma reunião na sede da ONU em que as potências comunicaram suas suspeitas de que o programa nuclear de Teerã tem fins militares.

"Todos os presentes expressaram preocupação sobre as políticas nucleares do Irã e suas ambições regionais", apontou a chanceler dos EUA, que negocia a questão ao lado de Rússia, China, França, Reino Unido e Alemanha.

A chefe da diplomacia americana disse que os presentes ao encontro acordaram prosseguir com esse tipo de reuniões "dada sua utilidade".

Os países árabes na reunião foram Barein, Egito, Jordânia, Kuwait, Iraque, Arábia Saudita e Emirados Árabes Unidos.

Rice disse que na reunião não foi discutida a possibilidade de colocar uma nova rodada de sanções contra Teerã, por desacatar a ordem do Conselho de Segurança da ONU para que cesse o enriquecimento de urânio.

"Na ocasião, não tratamos o assunto de desenvolver uma estratégia comum, mas acho que há certa inquietação sobre a necessidade de que é preciso encontrar uma maneira de que o Irã finalmente decida tomar outro caminho sobre suas ambições nucleares", disse.

Rice reiterou que os países presentes na reunião têm "um grande interesse em como se resolva este assunto e querem seguir mantendo consultas com sobre o que vai acontecer".

Washington considera que a ONU deve adotar uma quarta rodada de sanções contra Teerã por sua resposta negativa ao conjunto de incentivos que as seis potências apresentaram.

Enquanto os EUA e a União Européia (UE) temem que o Irã use seus conhecimentos nucleares para fins militares, Teerã assegura que só tem intenções pacíficas, como a geração de energia elétrica e aplicações médicas. EFE jju/rr

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG