Publicidade
Publicidade - Super banner
Mundo
enhanced by Google
 

Portugal montará rede para enfrentar doenças tropicais

Por causa do aquecimento global, Portugal vai montar um sistema de vigilância para evitar o surgimento no país de doenças normalmente associadas aos trópicos. Os alvos serão seis doenças: dengue, malária, febre amarela, febre do Nilo Ocidental, doença de Lyme e o vírus Chikungunya.

BBC Brasil |

O anúncio da rede ocorre na semana em que foram declarados os primeiros casos de dengue em Portugal. Dois turistas que foram ao Brasil durante a Páscoa voltaram com a doença: uma mulher que esteve no Rio de Janeiro e um homem que viajou para o Recife.

Segundo Otília Duarte, assessora de imprensa da Direção-Geral de Saúde, o projeto ainda está no começo.

Vigilância antiga
"A rede ainda não está operacional. Estamos preparando a rede de técnicos que vão cobrir o território nacional, através das suas cinco regiões."
"A partir de armadilhas com gelo seco, os mosquitos são recolhidos e depois seguem para análise, para ver se estão infectados", explica Otília.

"Até agora, não tivemos nenhum caso de dengue em Portugal", conta Ana Leça, responsável pela vigilância sobre a dengue no país.

O único lugar onde foi encontrado o mosquito Aedes aegypti em Portugal foi no Arquipélago da Madeira, que fica, no Oceano Atlântico, a cerca de 600 quilômetros a sul do continente europeu. Lá, o mosquito não estava carregando doenças.

Segundo Paulo Diegues, responsável pelo Departamento de Saúde Ambiental do Ministério da Saúde português, a idéia da rede de vigilância não é nova.

"Já existia nos anos 50 a 60. Agora estamos a reativá-la."
Em 1973, Portugal conseguiu erradicar a malária, que existia em pequena quantidade na região de Setúbal, 50 quilômetros a sul de Lisboa.

Sobre a ameaça de aquecimento do país - que pode trazer mosquitos de zonas tropicais - ele cita estudos que apontam para uma alta média da temperatura no país de 1,05 grau em 2003, comparada com a média entre 1961 e 1999.

"O compromisso europeu é de trabalhar para que durante este século a temperatura média não suba mais do que 2 graus."
A chegada das doenças tropicais já é uma realidade na Europa. A febre do Nilo Ocidental chegou ao sul da Itália.

Leia tudo sobre: iG

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG