LISBOA (Reuters) - O diretor da promotoria pública de Portugal fechou o caso do desaparecimento da menina britânica Madeleine McCann até que apareçam mais provas para a investigação, negando qualquer suspeita de envolvimento dos pais da garota. O promotor Fernando Pinto Monteiro disse em nota que um terceiro suspeito, Robert Murat, um britânico que vive em Portugal, também teve seu envolvimento no caso negado.

'A promotoria pública determinou que a investigação sobre o desaparecimento de Madeleine McCann seja arquivada, devido à falta de evidências de que qualquer crime tenha sido cometido pelos suspeitos', disse a nota.

'O caso pode ser reaberto pela promotoria pública, ou com o pedido de alguma das partes interessadas, se novas evidências se materializarem', disse.

Madeleine desapareceu em seu quarto em um resort do Algarve no dia 3 de maio do ano passado, poucos dias antes de seu aniversário de quatro anos.

O caso obteve as principais manchetes da imprensa internacional, especialmente depois que a polícia nomeou os pais, Gerry e Kate McCann, como suspeitos. A polícia portuguesa não conseguiu achar a garota e não teve evidências para acusar nenhum dos envolvidos, apresentando seu relatório final à promotoria no dia 1o de julho.

(Reportagem de Andrei Khalip)

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.