Portugal: Brasileiros são acusados de seqüestro relâmpago

Três brasileiros foram presos acusados de terem cometido um seqüestro relâmpago em Portimão, que fica 270 quilômetros ao sul de Lisboa, segundo a polícia portuguesa. O caso aconteceu na madrugada de segunda-feira.

BBC Brasil |

De acordo com a Polícia de Segurança Pública, os três brasileiros teriam abordado um estudante de 22 anos de idade - o nome não foi revelado - às 5h40 da manhã num bairro da periferia da cidade. Eles estariam usando uma navalha e teriam forçado o rapaz a entrar em um carro de propriedade de um deles.

Ainda de acordo com a verão apresentada pelos policiais, o trio teria levado a vítima até um caixa automático e forçado que o jovem a desse sua senha. Eles, porém, não teriam conseguido retirar qualquer soma de dinheiro, porque a conta estava sem fundos. Após a tentativa frustrada, o rapaz foi solto e os assaltantes teriam ficado apenas com o seu relógio.

A polícia afirma que chegou aos brasileiros por causa da placa do carro. Uma testemunha teria visto o seqüestro e avisado às autoridades, que pelo registro do veículo foram para a casa do proprietário.

Prisão preventiva
Os brasileiros foram presos quando retornavam para essa casa dentro do veículo.

Segundo o comissário Mário Oliveira, da Polícia de Segurança Pública de Faro, os três foram presos "em flagrante". Ele diz que eles serão acusados de sequestro e por roubo - o que pode dar uma pena de até oito anos de prisão. "Agora as investigações transitam para a Polícia Judiciária", afirmou Oliveira.

A Polícia Judiciária terá agora que juntar provas do envolvimento dos acusados no crime e verificar se eles estão envolvidos em outras ocorrências mais crimes.

Segundo Oliveira, os sequestros relâmpagos não são um crime comum na região, mas já foram registrados casos anteriores.

A polícia não deu dados a respeito dos três brasileiros - apenas informou que têm 48, 20 e 18 anos de idade. Eles foram apresentados a um juiz nesta terça-feira de manhã, que decidiu que ficarão em prisão preventiva.

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG