Por reforma da saúde, Obama adia pela segunda vez viagem à Ásia

O presidente dos EUA, Barack Obama, adiou pela segunda vez a viagem que faria dos dias 21 a 26 de março à Indonésia e à Austrália para poder se concentrar na reforma da saúde, cuja aprovação definitiva pelo Congresso é esperada para o domingo.

iG São Paulo |

Obama comentou as estimativas de custos feitas pela Comissão de Orçamento do Congresso (CBO), segundo as quais o plano poderia reduzir em US$ 130 bilhões o déficit americano em dez anos, até 2019, e em 1,2 trilhão de dólares em outros dez anos.

AFP
Cercado por membros do Congresso, Obama assina lei do trabalho

Cercado por congressistas, Obama assina lei para criação de empregos

Para Obama, seu plano de reforma é o maior esforço a ser realizado para reduzir o déficit americano desde os anos 90.

"Isso transforma o projeto no esforço mais significativo para reduzir o déficit desde a lei de orçamento balanceado dos anos 90", disse Obama, antes de assinar uma lei sobre a criação de empregos, no Jardim das Rosas da Casa Branca.

A CBO enviou aos democratas nesta quinta-feira sua estimativa de custos da última versão do plano de reforma do sistema de saúde. De acordo com o estudo da Comissão, se o projeto de lei votado pelo Senado for aprovado, acrescido das emendas que passaram na Câmara de Representantes, a reforma custaria um total de US$ 940 bilhões.

A Câmara de Representantes votará domingo a reforma, afirmou nesta quinta-feira Chris Van Hollen, um dos líderes democrata da Casa.

Na quarta-feira, Obama manifestou confiança na aprovação da reforma, após conseguir avançar com diversos pontos fundamentais do projeto na Câmara de Representantes.

Obama obteve, inclusive, o apoio do democrata Dennis Kucinich, que garantiu que votará a favor do projeto, apesar de não aprovar seu conteúdo. "Esse é um bom sinal e lhe agradeci", comentou Obama.

A reforma do sistema de saúde tem o objetivo de ampliar a cobertura médica a 31 milhões de americanos carentes, proibindo que empresas de seguros médicos neguem assistência a pessoas já doentes.

Com informações da AFP

Leia mais sobre EUA

    Leia tudo sobre: eua

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG