Polônia lembra 65 anos do levante do Gueto de Varsóvia

A Polônia marca nesta terça-feira os 65 anos do Levante no Gueto de Varsóvia, considerado o maior ato de resistência dos judeus durante o Holocausto. O presidente polonês, Lech Kaczynski, e seu colega israelense, Shimon Peres, participaram da cerimônia junto com sobreviventes do Holocausto.

BBC Brasil |

Peres iniciou uma visita de quatro dias à Polônia na segunda-feira, com uma visita ao local do antigo campo de concentração de Treblinka, no nordeste do país.

Centenas de convidados, incluindo estudantes israelenses, se reuniram em uma grande praça construída no local onde ficava o gueto.

Ao lado do monumento em homenagem aos judeus que lutaram no Levante do Gueto de Varsóvia, Kaczynski discursou e afirmou que o mundo deve permanecer vigilante para evitar que os horrores da época voltem a acontecer.

A comemoração anual do Levante do Gueto de Varsóvia é normalmente realizada no dia 19 de abril, mas foi adiantada em 2008 para evitar o dia de descanso judeu, o sabá.

Campos de concentração
Durante cerca de um mês em 1943, na Segunda Guerra Mundial, centenas de judeus, armados com revólveres e bombas caseiras, resistiram às tentativas alemãs de acabar com o gueto.

Na época, os nazistas já tinham enviado 300 mil judeus que moravam no gueto para as câmaras de gás do campo de concentração de Treblinka.

Os primeiros choques ocorreram no início de 1943, quando moradores do gueto se armaram para evitar que mais judeus fossem enviados aos campos de concentração.

O levante propriamente dito começou em abril, em uma reação aos planos nazistas de eliminar os 60 mil moradores que ainda estavam no gueto.

Soldados nazistas usaram explosivos para destruir o gueto, que tinha sido criado pelas tropas de ocupação da Alemanha em 1940, e milhares de judeus morreram nos confrontos.

A comunidade judaica da Polônia já foi a maior da Europa, com mais de 3 milhões de pessoas, mas foi quase totalmente exterminada durante o Holocausto. Atualmente, os judeus da Polônia são apenas alguns milhares.

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG