Políticos linha-dura encabeçam lista de candidatos de Netanyahu

Por Allyn Fisher-Ilan JERUSALÉM (Reuters) - O partido Likud, do ex-premiê Benjamin Netanyahu, escolheu políticos linha-dura para encabeçarem sua lista de candidatos para a eleição parlamentar de 10 de fevereiro em Israel, o que pode prejudicar a estratégia de Netanyahu para voltar ao poder.

Reuters |

Netanyahu, que lidera as pesquisas de opinião para o pleito nacional, esperava ter como companheiros de chapa candidatos moderados e celebridades recém-recrutadas para o direitista Likud, de modo a tirar votos do centrista Kadima, atualmente no governo.

Mas os resultados da eleição interna de segunda-feira, divulgados nesta terça, mostram que os 20 primeiros lugares na lista de candidatos para a eleição parlamentar estão dominados por inflamados defensores da ampliação dos assentamentos judaicos na Cisjordânia e por críticos da desocupação da Faixa de Gaza, em 2005.

São políticos como Benny Begin, filho do falecido ex-premiê Menachem Begin, Moshe Yaalon, ex-chefe do Estado-Maior das Forças Armadas, e Moshe Feiglin, um colono que lidera a facção mais direitista do partido.

"Não será possível conduzir um processo diplomático ou mesmo conversar sobre um processo diplomático (com os palestinos) com uma lista tão belicosa", disse o comentarista Yoav Krakovsky, da Rádio Israel.

Pelo sistema israelense, o eleitor vota em listas fechadas do partido da sua preferência, sem a possibilidade de escolher diretamente o candidato. Se um partido conseguir, por exemplo, 20 dos 120 lugares do Knesset (Parlamento), os 20 primeiros políticos da lista ocupam as vagas.

Apesar disso, a disputa habitualmente gira em torno da popularidade dos líderes partidários -- e a de Netanyahu é elevada.

Uma pesquisa publicada na semana passada mostrou que o Likud deveria eleger 35 deputados, nove a mais que o Kadima, liderado pela chanceler Tzipi Livni. A intenção de voto no Kadima está em queda desde outubro, e Netanyahu pretende aproveitar esse espólio.

"Netanyahu entende que as linhas da batalha com o Kadima foram traçadas na luta pelas 10 a 15 vagas parlamentares determinadas pelos votos da direita moderada e do centro", disse o analista Hanan Crystal, também à Rádio Israel.

Em discurso a seguidores, Netanyahu se disse satisfeito com a composição da lista, "a melhor possível", segundo ele. O candidato prometeu "melhorar a segurança, fortalecer a economia e continuar um processo diplomático responsável" com os palestinos.

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG