Roma, 4 ago (EFE).- Membros do partido esquerdista italiano Refundação Comunista mantiveram durante anos contatos políticos com as Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc) e nunca esconderam isso, segundo confirmaram hoje em coletiva de imprensa Ramon Mantovani e Marco Consolo.

Os representantes da Refundação Comunista convocaram um encontro com a imprensa para confirmar que são eles os "Ramón" e "Consolo" que aparecem no computador de "Raúl Reyes", ex-número dois das Farc assassinado em 1º de março.

A informação foi revelada ontem pelo jornal de Bogotá "El Tiempo", que diz que o Governo colombiano ativou uma "operação de busca e captura por toda Europa" de oito estrangeiros, entre eles os dois italianos, supostamente ligados às Farc.

Mantovani, ex-deputado da Refundação Comunista, explicou que os contatos com as Farc foram feitos com a intenção "de favorecer a paz e o diálogo na América Latina".

Segundo o político comunista, as negociações com as Farc se desenvolveram sempre oficialmente e sobre isso os três últimos presidentes da Câmara dos deputados da Itália estavam informados.

O ex-deputado acrescentou que seu principal contato era "Raúl Reyes", mas que com sua morte foram cessadas todas as relações com as Farc. EFE ccg/rr

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.