Publicidade
Publicidade - Super banner
Mundo
enhanced by Google
 

Políticos iraquianos continuarão reuniões sobre acordo de segurança com EUA

Bagdá, 20 out (EFE).- Os dirigentes políticos iraquianos continuarão nesta terça-feira suas reuniões para analisarem o pacto de segurança negociado há meses por Iraque e Estados Unidos, já que não chegaram a um acordo na noite do último domingo, informaram fontes oficiais.

EFE |

Ao jornal "Al-Sabah", o secretário do Conselho da Presidência iraquiana, Nasir al-Ani, disse que o Conselho de Ministros e o de Segurança Nacional (formado por presidente, dois vice-presidentes e chefes dos blocos parlamentares) se reunirão amanhã para definirem a postura do grupo diante do pacto antes de enviá-lo ao Parlamento.

O pacto de segurança tem como objetivo definir o futuro da presença das forças americanas no país a partir do próximo mês de dezembro, quando expira o mandato concedido pela ONU aos EUA para permanecerem no Iraque.

Ani explicou que os diferentes políticos iraquianos estudaram ontem à noite vários assuntos relacionados ao convênio, entre os quais está o nível de preparação das tropas iraquianas para defender o país.

Além disso, as conversas se centraram na proteção das riquezas do país, como o petróleo e os fundos recebidos por esta indústria.

Tratou-se também da tradução do acordo do inglês para o árabe e dos problemas que podem surgir por causa da diferença de idiomas.

O pacto, segundo as informações da minuta, estabelece que as tropas norte-americanas abandonem o Iraque antes de 31 de dezembro de 2011 e se retirem das áreas urbanas antes de junho do próximo ano.

No entanto, o prazo final de retirada pode ser revisado, segundo as circunstâncias e caso as duas partes concordem.

O porta-voz do Governo iraquiano, Ali al-Dabbagh, também citado pelo periódico, confirmou a falta de acordo nas conversas políticas encerradas ontem à noite sobre este pacto e das quais participaram líderes dos grupos parlamentares.

"Muitos expressaram suas ressalvas e não puderam nem aceitar o pacto nem repeli-lo", acrescentou Dabbagh.

Ontem, a coalizão governante xiita Aliança Unida Iraquiana (AUI), que compõe a maioria no Parlamento, pediu que alguns pontos do pacto de segurança sejam emendados antes da aprovação.

Em comunicado, a formação política ressaltou que há pontos no acordo que necessitam de maior tempo para serem estudados, e que por este motivo se criou uma comissão integrada por membros da AUI. EFE am/fh/fal

Leia tudo sobre: iG

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG