Políticos da oposição turca pedem demissão em meio a escândalo sexual

Mídia turca afirma que os seis políticos se demitiram diante de ameaças de publicação de vídeos comprometedores

BBC Brasil |

selo

Seis políticos de alto escalão do opositor Partido de Ação Nacionalista (MHP) pediram demissão de seus cargos neste sábado em meio a um escândalo sexual, pouco antes das eleições nacionais turcas. A mídia turca afirma que os seis - incluindo quatro vice-presidentes do partido - se demitiram diante de ameaças de publicação de vídeos comprometedores.

Outros quatro líderes do partido haviam se demitido no começo do mês depois que imagens filmadas ilegalmente foram disponibilizadas na internet.

O escândalo aumentou a tensão no país antes das eleições de junho, nas quais o partido de orientação islâmica AKP busca um terceiro mandato.

O legislador Deniz Bolukbasi, um dos seis líderes do MHP que renuniaram neste sábado, disse ter sido vítima de uma armadilha promovida pelo AKP, do premiê Recep Tayyip Erdogan.

"Estou me demitindo para poupar meu partido de danos que tais acusações podem causar", disse ele.
O MHP, um partido nacionalista, é o segundo maior de oposição na Turquia.

O repórter da BBC Jonathan Head, em Istambul, disse que o episódio é extremamente relevante, porque a Turquia tem um limite alto para a obtenção de assentos no Parlamento. Se o MHP conseguir menos de 10% do apoio dos eleitores, não consegue qualquer assento.

Isso, segundo Head, daria ao AKP a chance de conseguir uma maioria de 66%, que permitiria ao grupo reescrever a Constituição sem realizar um referendo.

Um grupo obscuro que se chama "Nacionalistas Diferentes" exortou a liderança inteira do MHP a renunciar, e, no começo do mês, publicou vídeos sexuais na internet.

"As forças escuras por trás deste complô político feio, tanto no país quanto no exterior, virão à luz como parte de uma investigação", disse Bolukbasi.

No ano passado, Deniz Baykal, chefe do principal partido de oposição, o secular Partido Republicano do Povo, pediu demissão em meio a um escândalo parecido, depois que imagens dele e de uma parlamentar em um quarto foram publicadas na internet.

    Leia tudo sobre: turquiaescândalo sexualdemissões

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG