Polícias de Bolívia e Brasil trocam informações sobre suposto terrorista

La Paz, 14 dez (EFE).- As policiais de Bolívia e Brasil estão coordenando, através da Interpol, informações sobre um cidadão irlandês que supostamente tem relações com o grupo terrorista desarticulado na cidade de Santa Cruz de la Sierra, no leste boliviano, em abril, informou hoje uma fonte oficial.

EFE |

O comandante geral da Polícia boliviana, general Víctor Hugo Escobar, afirmou que os dois países estão em contato para conhecer os antecedentes do cidadão irlandês Yasser Mohammed, que foi detido em Brasília na semana passada e que, segundo a imprensa local, está vinculado a uma suposta trama terrorista na Bolívia.

Segundo Escobar, a detenção do irlandês aconteceu após uma investigação e acompanhamento da Polícia boliviana a Mohammed, por causa de relatórios que apontavam para seus vínculos com narcotráfico e lavagem de dinheiro, informou a agência estatal "ABI".

Apesar de o Governo e a Promotoria terem assegurado não possuir, por enquanto, informações oficiais sobre o suposto terrorista detido em Brasília, o presidente da comissão parlamentar que averiguou o caso, César Navarro, assegurou que o detido será investigado para conhecer seus vínculos com o grupo liderado por Eduardo Rózsa-Flores.

Rózsa-Flores, de nacionalidade boliviana, croata e húngara, foi morto em uma operação policial em 16 de abril junto com Arpad Magyarosi (romeno de origem húngara) e Michael Martin Dwyer (irlandês), enquanto foram detidos o húngaro Elod Toaso e o boliviano croata Mario Tadic.

Segundo as investigações da Promotoria, o grupo formado por vários europeus pretendia assassinar o presidente da Bolívia, Evo Morales, treinava milícias para defender Santa Cruz de uma possível intervenção governamental e encorajava a possibilidade de uma secessão do território boliviano. EFE lav/pd

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG