Policial que protegia testemunha de terrorismo é morto na Grécia

Atenas, 17 jun (EFE).- Um policial grego que protegia uma testemunha que tinha levado à detenção de membros da organização terrorista urbana grega Luta Revolucionária Popular foi morto hoje em Atenas, informou a Polícia.

EFE |

O ataque ocorreu por volta das 7h locais (1h de Brasília), na região central de Atenas, quando homens encapuzados em pelo menos duas motocicletas atiraram contra o policial de 40 anos que se encontrava dentro de um veículo.

A testemunha é ex-mulher de Angeletos Kanas, ex-prefeito de uma ilha grega que foi acusado e condenado à prisão por participação no grupo terrorista.

O grupo iniciou suas ações terroristas em 1975 contra policiais e perpetrando atentados contra bancos e escritórios da administração pública, deixando de agir em 1995.

A detenção de quatro membros aconteceu em 2003, junto com o núcleo da organização terrorista grega "17 de Novembro".

Eles foram condenados à prisão perpétua por quatro assassinatos, 73 tentativas de assassinato e 70 explosões.

Segundo um relatório recente do Departamento de Estado americano, o grupo terrorista ativo "Luta Revolucionária" é uma continuação do extinto bando. EFE afb/mh

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG