Bangcoc, 3 set (EFE).- Mais de mil policiais cercam desde o começo da manhã desta quarta-feira os manifestantes que ocupam a sede do Governo da Tailândia em Bangcoc, onde rege o estado de exceção declarado na véspera pelo Governo.

A Polícia afirmou que os agentes estão velando pela segurança dos ativistas, e não foram registrados incidentes violentos durante as primeiras 24 horas desde a entrada em vigor da medida de emergência.

Divididos em quatro companhias, os policiais foram desdobrados nos limites do palácio governamental e nas proximidades do quartel general do Exército.

Na primeira noite com estado de emergência em vigor na capital tailandesa, não foram registrados atos de violência entre as forças de segurança e os manifestantes, que há mais de uma semana ocupam a sede do Governo, informou hoje a Polícia.

Durante a madrugada, os ativistas se acalmaram diante dos rumores de que os soldados não invadiriam o palácio para tirar à força os opositores. E, ao amanhecer, muitos manifestantes abandonaram o local para descansar.

No dia anterior (hora local), o primeiro-ministro do país, Samak Sundaravej, decretara estado de emergência em Bangcoc após a batalha campal de segunda-feira entre os manifestantes da oposição e seguidores do Governo, na qual uma pessoa morreu e 44 ficaram feridas.

Sonthi Limthongkul, fundador da opositora Aliança do Povo para a Democracia (APD), que liderou os protestos, anunciou que estes terminarão em menos de dois dias. Além disso, afirmou acreditar que soldados não usarão a força contra os manifestantes.

O estado de emergência permite ao Exército empregar a força, bloquear estradas, evacuar edifícios e censurar a imprensa.

A medida também proíbe reuniões públicas com mais de cinco pessoas e autoriza as forças de segurança deter sem acusações suspeitos de rebelião por um período máximo de 30 dias. EFE grc/mh

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.