camisas vermelhas em Bangcoc - Mundo - iG" /

Polícia usa gás lacrimogêneo para dispersar camisas vermelhas em Bangcoc

Bangcoc, 9 abr (EFE).- Os manifestantes antigovernamentais tailandeses enfrentaram as forças de segurança em Bangcoc nesta sexta, em protesto que foi reprimido com gás lacrimogêneo, para evitar que o grupo assaltasse a sede de uma rede de televisão via satélite que cortou o sinal do canal dos camisas vermelhas.

EFE |

Segundo pôde comprovar a agência Efe, os ativistas fizeram retroceder o cordão policial, enquanto pelo menos um manifestante tinha sangue em sua camiseta.

O confronto ocorreu à entrada do edifício do canal "Thaicom", ao norte da cidade, onde cerca de 12 mil seguidores da Frente Unida pela Democracia e Contra a Ditadura encaravam aproximadamente sete mil policiais e militares desdobrados para proteger o recinto.

A "Thaicom" tem competência para desbloquear a "P-TV", um canal de televisão que apoia os manifestantes e cujo sinal foi bloqueado na quinta-feira pelo Governo por incitar a agitação civil, em aplicação do estado de exceção declarado na quarta-feira.

Antes do incidente, o vice-primeiro-ministro tailandês, Suthep Thaugsuban, tinha informado aos "camisas vermelhas" que eles não tinham sido autorizados a entrar no recinto.

Pelo menos 33 mil membros adicionais das forças de segurança da Tailândia foram desdobrados dentro e fora da capital para evitar distúrbios preparada para esta tarde.

Os manifestantes esperam reunir dezenas de milhares de seguidores do ex-primeiro-ministro deposto Thaksin Shinawatra. Até o momento, chegaram a reunir em um mesmo dia cerca de 100 mil pessoas.

Há dois dias rege em Bangcoc o estado de exceção, que permite ao Exército assumir o controle da segurança, declarar toque de recolher e dissolver qualquer reunião andarilha, entre outras disposições.

As autoridades justificaram a medida de emergência para ordenar o bloqueio da "P-TV" e várias páginas da internet dos "camisas vermelhas".

Em um clima de tensão cada vez maior, foram emitidas ordens de detenção contra um total de 24 líderes dos protestos.

grc/fm

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG