A polícia israelense recomendou nesta quinta-feira a abertura de um terceiro processo por corrupção contra o premier israelense, Ehud Olmert.

A unidade antifraude da polícia aconselhou o procurador-geral Menachem Mazuz a a acusar Olmert de fraude e abuso de confiança por, supostamente, favorecer a empresa de um amigo, anunciou o porta-voz da polícia, Micky Rosenfeld.

Olmert já é suspeito de ter cometido os crimes com a nomeação de alguns colaboradores no Centro de Inverstimentos, um organismo oficial, quando foi ministro do Comércio e Indústria (2003-2006).

O procurador-geral, que examinará o terceiro processo, já anunciou que pretende indiciar Olmert por dois casos: a transferência ilegal de recursos do empresário americano Morris Talansky e o reembolso em várias ocasiões de passagens de avião para ele e a família.

Os casos aconteceram quando Olmert era prefeito de Jerusalém, entre 1993 e 2003, e quando foi ministro da Indústria e Comércio, em janeiro de 2006.

Olmert alega inocência, mas anunciou em setembro passado que renunciaria ao cargo de premier depois que a polícia recomendou seu indiciamento no caso Talansky.

jlr/fp

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.