Polícia prende suspeito por incêndio na Patagônia do Chile

Turista israelense de 23 anos é o suspeito; chamas consumiram mais de 11 mil hectares do parque nacional de Torres de Paine

iG São Paulo |

O promotor regional de Magallanes, Juan Meléndez, confirmou neste sábado que as autoridades detiveram um cidadão israelense, de 23 anos, como suposto responsável pelo incêndio que já consumiu mais de 11 mil hectares do parque nacional Torres del Paine , na Patagônia chilena.

Saiba mais: Incêndio em parque da Patagônia consumiu mais de 11 mil hectares

De acordo com o ministro do Interior chileno, Rodrigo Hinzpeter, a diminuição da intensidade do vento e uma leve chuva ajudaram a deter o avanço do incêndio. Hinzpeter afirmou "que espera controlar três dos seis focos das chamas nos próximos dias".

"Graças ao trabalho conjunto entre a polícia e os Carabineros pudemos estabelecer que esse cidadão israelense, identificado como Roter Singer, seria o responsável pelo acidente", disse. Em declarações à emissora de rádio Bío-Bío, o promotor disse que na tarde do sábado será formalizada a acusação "por uso negligente do fogo em florestas".

Meléndez se esquivou de dar mais detalhes, mas antecipou que, graças a testemunhas e diversas diligências policiais, foram reunidas diversas provas da ação irresponsável do israelense.

Antes da confirmação da detenção do suspeito, a ministra do Meio Ambiente, María Ignacia Benítez, que está na área coordenando os trabalhos de combate às chamas, afirmou que o governo processará os responsáveis pelo incêndio.

Saiba mais: Chile pede ajuda internacional por incêndio na Patagônia

Mais 237 homens foram enviados para tentar combater o incêndio. O governo chileno pediu ajuda internacional por causa da magnitude do incêndio, que começou na quarta-feira, e além disso declarou "zona de catástrofe na Patagônia" para multiplicar a ajuda que seja necessária para acabar com o incêndio.

Em coletiva o presidente do Chile, Sebastián Piñera, pediu ajuda urgente a EUA, Austrália e Argentina. Piñera, que estava no balneário de Viña del Mar com a família para passar as festas de fim de ano, retornou rapidamente à capital e se instalou por algumas horas nas dependências do Escritório Nacional de Emergência por causa do episódio.

Pelo menos 700 turistas e dezenas de trabalhadores tiveram de ser retirados rapidamente da região, considerada reserva da biosfera pela Unesco, e onde chegam nos meses do verão austral 130 mil visitantes, a maioria europeus. O incêndio pode ter começado numa trilha para turistas e consome cerca de 2,5 mil hectares por dia.

O incêndio ameaça a fauna existente no lugar. Na região habita o huemul chileno, um cervo autóctone pouco conhecido, que faz parte do escudo nacional, e muitas espécies que não se encontram em nenhum outro ponto do planeta e estão em perigo de extinção há várias décadas.

Piñera lembrou que o rápido avanço das chamas fez com que as autoridades regionais determinassem rapidamente o fechamento total do parque, de mais de 240 mil hectares e um dos mais visitados por turistas estrangeiros.

O presidente disse que foram solicitadas fotos feitas pelos satélites para obter "um diagnóstico mais preciso e poder ver o que infelizmente os aviões e helicópteros não podem observar pelas condições de fumaça no lugar". Piñera antecipou que o parque permanecerá fechado enquanto durar o incêndio e ressaltou que o fogo pode ter se originado por negligência ou distração de um turista.

*Com EFE e AFP

    Leia tudo sobre: chilepatagôniaTorres del Paineincêndio florestalincêndiopiñera

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG