Polícia prende internautas que espalharam mensagens falsas após massacre

As polícias da Alemanha e França prenderam duas pessoas que espalharam na internet ameaças falsas de tiroteios em escolas nesta sexta-feira, dois dias depois de um jovem de 17 anos ter assassinado 15 pessoas na região de Stuttgart.

AFP |

Paralelamente, as autoridades do estado regional alemão de Baden-Wurtemberg, onde fica o colégio Albertille, na pequena cidade de Winnenden, onde ocorreu a matança, admitiram que mensagem de advertência supostamente difundida na internet pelo autor do massacre era falsa.

A polícia da Baixa Saxônia, a centenas de quilômetros do local do massacre, prendeu um homem de 21 anos que afirmou em um fórum na internet que tinha a intenção de imitar o crime de Stuttgart.

O detido, que não teve o nome divulgado e pode se condenado a três anos de prisão, declarou que tudo não passou de uma "piada".

A polícia da França prendeu um jovem de 18 anos que escreveu em um site que iniciaria um tiroteio em uma escola da periferia de Paris.

Ele também disse que a mensagem era uma brincadeira. A polícia não encontrou armas na residência do detido.

Na quinta-feira, a polícia sueca também prendeu um adolescente de 17 anos, suspeito de ter disponilizado na internet uma foto em que aparecia com uma arma, além de uma mensagem ameaçadora contra uma escola.

Ao mesmo tempo, o ministro do Interior de Baden-Wurtemberg, Heribert Rech, admitiu ter sido enganado por uma mensagem supostamente difundida na internet pelo adolescente que matou 15 pessoas na quarta-feira.

Rech, que na quinta-feira leu o texto do suposto anúncio do massacre durante uma entrevista coletiva, reconheceu na noite de quinta-feira que foi enganado por "uma falsa notícia suja" divulgada por um "louco".

A polícia já está investigando as duas pessoas que supostamente encontraram a mensagem em um fórum de discussão na internet.

A polícia de Waibligen informou que nenhum indício da suposta mensagem foi encontrado no computador de Tim Kretschmer, que matou 15 pessoas, 12 delas em sua antiga escola da região de Stuttgart e três na fuga, antes de cometer suicídio.

O site Krautchand.net está fechado desde quinta-feira, mas um anúncio afirma que o servidor jamais divulgou uma mensagem do adolescente homicida.

"A imprensa alemã provavelmente foi enganada (e não pela primeira vez) por uma falsificação", destaca o site.

A chanceler alemã, Angela Merkel, assistirá ao funeral das vítimas que acontecerá no dia 21 de março en Waibligen.

bur-fbe/fp

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG