Polícia pede que estudantes não se unam a manifestantes na Tailândia

Bangcoc, 5 set (EFE).- A Polícia da Tailândia pediu hoje que os estudantes não se juntem às manifestações contra o Governo, para evitar atos de violência como o que deixou dois ativistas feridos nesta quinta-feira em Bangcoc.

EFE |

Os dois estudantes foram baleados na noite de quinta-feira por desconhecidos, quando cerca de 100 universitários se dirigiam ao palácio do Governo para se unir aos manifestantes que a ocupam há onze dias.

Ainda na quinta-feira, o primeiro-ministro Samak Sundaravej anunciou um acordo para realizar um plebiscito com o objetivo de solucionar a crise política que levou à ocupação da sede do Governo pelos opositores.

Os líderes da Aliança do Povo para a Democracia, que organiza as manifestações que começaram há mais de três meses, advertiram que os protestos continuarão, apesar do plebiscito.

Os protestos começaram em maio, quando os seguidores da Aliança montaram um acampamento em frente ao prédio das Nações Unidas.

Os manifestantes acusam o Governo de corrupção, de deslealdade à Coroa, e de ser um fantoche do ex-líder Thaksin Shinawatra, agora exilado no Reino Unido. EFE grc/mh

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG